Olhar Jurídico

Domingo, 05 de julho de 2020

Notícias / Civil

Contra fechamento de atividades, Fecomércio é rejeitada em processo que determinou quarentena

Da Redação - Arthur Santos da Silva

30 Jun 2020 - 08:13

Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto

Contra fechamento de atividades, Fecomércio é rejeitada em processo que determinou quarentena
O juiz Jose Luiz Leite Lindote, da Primeira Vara Especializada da Fazenda Pública, negou pedido da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio-MT) para ingresso na ação que determinou quarentena obrigatória em Cuiabá e Várzea Grande. Decisão é da segunda-feira (30).

Leia também 
Juiz permite funcionamento de cartório em shopping e abertura de escolas para gravação de aulas
 

A entidade, que se posicionou publicamente contra as medidas restritivas impostas por decisão judicial, requereu o ingresso no processo na condição de terceiro interessado ou como “amicus curiae”.
 
Segundo o magistrado, para que haja admissão devem estar presentes as seguintes condições: relevância da matéria, especificidades do tema objeto da demanda, repercussão social da controvérsia e mero interesse institucional do postulante.
 
Porém, nos casos em que o relator entender que as meras alegações do autor e dos demais sujeitos processuais já são suficientes ao necessário esclarecimento das questões para um julgamento de qualidade, a intervenção do amicus curiae deve ser indeferido.

Posicionamento nas redes
 

A Fecomércio se posicionou contra a quarentena obrigatória. Em nota, a entidade assinalou ainda que aguardava decisão para ser admitida no caso e depois protocolizar “pedido para reverter a decisão inicial do juiz”.
 
"A Fecomércio-MT, por meio do seu presidente José Wenceslau de Souza Júnior, reforça que o comércio não aguenta mais ficar fechado e que, para isso, se atentou às medidas de biossegurança para continuar exercendo as suas atividades sem o risco de propagação do vírus, como o uso de máscaras e álcool 70%, distanciamento de 1,5m entre as pessoas, além de outras medidas", afirmou por meio de nota.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Saulo
    30 Jun 2020 às 11:39

    E só levar TODOS os boletos e mandar a conta do mercado capara casa de cada juiz, cada membro do ministério público e demais membros da corja

  • Omar Telo
    30 Jun 2020 às 11:30

    A fecomercio Aprosoja Sindusmad deveriam também parar de fazer festanças em suas mansões e chácaras, aglomerando "parças" pra não perder o costume de ostentar.

Sitevip Internet