Olhar Jurídico

Sexta-feira, 14 de maio de 2021

Notícias / Geral

ex-PGJ

Associação acusa Silval de embaralhar fatos contra Prado e cita recuperação de R$ 1 bi durante gestão

Da Redação - Arthur Santos da Silva

03 Mar 2020 - 15:43

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Associação acusa Silval de embaralhar fatos contra Prado e cita recuperação de R$ 1 bi durante gestão
A Associação Mato-Grossense dos Membros do Ministério Público (AMMP) emitiu declaração nesta terça-feira (3) acusando o ex-governador Silval Barbosa de tentar embaralhar fatos contra o ex-procurador-geral de Justiça, Paulo Prado, para enfraquecer o combate à corrupção promovido pelo órgão.

Leia também 
Prisão em flagrante de Jack Paparazzo é convertida em preventiva durante audiência de custódia

 
Silval afirmou na segunda-feira (3) que comunicou, quando governador, o então procurador-geral de Justiça, Paulo Prado, sobre chantagens que estava sofrendo durante execuções de projetos para a Copa do mundo de Futebol, em 2014.
 
O ex-procurador-geral de Justiça emitiu nota ainda na segunda-feira (2) confirmando contato de Silval Barbosa durante as obras da Copa do Mundo de 2014. Prado, porém, afirmou que orientou o ex-governador (hoje delator premiado), mas nunca houve retorno com detalhes para efetiva investigação.
 
Segundo a Associação Mato-Grossense dos Membros do Ministério Público, a atuação de Paulo Prado resultou na deflagração das operações Ventríloquo, Tríade, Aprendiz, Rêmora, Metástase, Célula Mãe, Seven, Arqueiro, Ouro de Tolo e Imperador, “as quais resultaram nas prisões de autoridades de diferentes esferas de poder”.
 
Segundo a associação, mesmo que indiretamente, Prado é reponsável pela recuperação de mais de R$ 1 bilhão.
 
Nota de Repúdio
 
A Associação Mato-Grossense dos Membros do Ministério Público externa o seu repúdio às declarações prestadas à CPI do Paletó pelo ex-governador Silval Barbosa, na Câmara Municipal de Cuiabá.
 
As declarações sob comento representam um notório ardil utilizado com o intento de embaralhar os fatos, no afã de tentar esmaecer a gravidade das condutas perpetradas pelo ex-governador à frente do Poder Executivo Estadual e de enfraquecer o combate à corrupção promovido pelo Ministério Público. Assim, devem ser recebidas com o devido filtro crítico.
 
O Dr. Paulo Roberto Jorge do Prado possui admirável histórico de serviços prestados ao Ministério Público e à sociedade mato-grossense. Em sua gestão, o trabalho de combate à corrupção foi deveras fortalecido, com a alocação de investimentos relevantes na estruturação do Gaeco, o que culminou na deflagração das operações Ventríloquo, Tríade, Aprendiz, Rêmora, Metástase, Célula Mãe, Seven, Arqueiro, Ouro de Tolo e Imperador, as quais resultaram nas prisões de autoridades de diferentes esferas de poder. Essas operações consubstanciaram um verdadeiro marco no enfrentamento à corrupção no Estado de Mato Grosso!
 
Com efeito, o esforço empreendido ao longo dos anos para combater os crimes de colarinho branco viabilizou a recuperação de mais de 1 bilhão de reais, dinheiro que propiciou a realização de investimentos importantes para a população matogrossense, a exemplo das obras referentes à escola Barão de Melgaço, ao Centro Cultural de Vila Bela da Santíssima Trindade e ao Batalhão do Corpo de Bombeiros do Distrito Industrial, dentre outras tantas obras.
 
A Associação Mato-Grossense do Ministério Público, atenta às tentativas de esmorecer o trabalho de combate à corrupção desenvolvido pelo Ministério Público brasileiro, repudia as agressões perpetradas contra um dos seus mais ilustres e dedicados profissionais.
 
 Cuiabá, 3 de março de 2020.
 
Rodrigo Fonseca Costa
Presidente da Associação Mato-Grossense do MP/MT
 
Márcio Florestan Berestinas
Diretor de Defesa Institucional da AMMP

Comentários no Facebook

Sitevip Internet