Olhar Jurídico

Sábado, 04 de abril de 2020

Notícias / Civil

Senador e deputado indicam datas para depoimentos em ação sobre compra de vaga no TCE

Da Redação - Arthur Santos da Silva

21 Fev 2020 - 10:09

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Senador e deputado indicam datas para depoimentos em ação sobre compra de vaga no TCE
O Juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Cível Pública de Cuiabá, foi comunicado sobre datas indicadas pelo senador Wellington Fagundes (PL) e pelo deputado estadual Sebastião Machado Rezende (PSC), testemunhas arroladas em processo que julga negociação de uma cadeira no Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT).
 
Leia também 
Justiça condena ortopedistas da rede pública por captarem pacientes para consultórios particulares


Wellington Fagundes informou que deseja ser inquirido em Brasília, no dia 20 de fevereiro (data já superada) ou cinco de março. Porém, já houve resposta de que não há tempo hábil para expedir carta precatória.
 
Sebastião Rezende informou que pretende ser inquirido na data de 27 de fevereiro, no gabinete da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá. Porém, a justiça esclareceu que não há tempo hábil para proceder as intimações necessárias para a realização do ato. 
 
No caso, entre os réus estão os ex-governadores Blairo Maggi e Silval Barbosa. Além de Blairo e Silval, a ação, por ato de Improbidade Administrativa, foi ajuizada pelo Ministério Público de Mato Grosso (MPE) em face de Alencar Soares Filho, Eder Moraes, Junior Mendonça, Humberto Bosaipo, José Riva, Leandro Valoes Soares, Sergio Ricardo de Almeida.

Na ação, o Ministério Público descreve a atuação de uma organização criminosa instalada no alto escalão dos poderes Executivo e Legislativo de Mato Grosso e que é objeto de investigações iniciadas em 2014, na Operação Ararath.
 
Entre as irregularidades já identificadas está a negociação de cadeiras no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet