Olhar Jurídico

Domingo, 16 de fevereiro de 2020

Notícias / Criminal

Aguardando homologação, Riva e advogados vão ao MPE e TJ para últimos ajustes em delação premiada

Da Redação - Arthur Santos da Silva

13 Fev 2020 - 20:06

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Aguardando homologação, Riva e advogados vão ao MPE e TJ para últimos ajustes em delação premiada
Aguardando a homologação de sua delação premiada, o ex-deputado José Riva passou a tarde desta quinta-feira (13) em uma verdadeira jornada entre dois lugares de extrema importância para definição de seu futuro: o Ministério Público de Mato Grosso (MPE) e o Tribunal de Justiça (TJMT). Acompanhado de seus dois advogados, o ex-parlamentar realizou os últimos ajustes nas declarações que prometem estremecer o cenário político em um ano com duas eleições.

Leia também 
Delação de Riva: desembargador realiza audiência de conformidade e ratificação


A reportagem acompanhou os passos de Riva e realizou questionamentos sobre o acordo. As questões, porém, foram prontamente contrapostas pelos defensores Almino Afonso Fernandes e Gustavo Lisboa Fernandes. O ex-deputado e seus advogados temem que qualquer aparição pública possa influenciar na futura decisão do desembargador Marcos Machado, responsável por avaliar nos próximos dias a homologação do acordo.

“No Direito a publicidade é regra, exceto nas hipóteses em que por imposição legal o segredo de justiça deve ser preservado. A lei que regula a delação prevê expressamente que os seus atos sejam revestidos de absoluto sigilo, até que sua quebra seja autorizada pelo Poder Judiciário. Portanto, estamos impedidos de falar sobre este assunto”, declarou Almino Afonso.


O posicionamento incisivo da defesa, protegendo o cliente prestes a realizar novas declarações no MPE, impediu que Riva respondesse publicamente sobre os termos de seu acordo. Ainda não se sabe quanto será devolvido ou os termos de cumprimento de futuras condenações.

Ao sair do Ministério Público visivelmente contrariado pela presença da imprensa, o ex-deputado seguiu ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso. O encontro com o desembargador Marcos Machado, porém, deixou de ocorrer. Apenas os advogados e suas respectivas pastas com documentos seguiram ao gabinete do magistrado. 

Homologação e termos

Na teça-feira (11), Marcos Machado realizou audiência de ratificação dos termos do acordo de colaboração premiada. O encontro contou com a presença do colaborador, advogados e o procurador-Geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira, na qualidade de custos legis.



A audiência teve por finalidade avaliar a regularidade, legalidade e, principalmente, a voluntariedade do acordo de colaboração premiada.  O desembargador registrou que os benefícios do acordo serão reservados ao ato homologatório da colaboração.

O colaborador também foi advertido sobre a possibilidade de retratação da proposta, caso queira, bem como inclusões de fatos eventualmente ocultados ou não revelados integralmente.

Delação

Conforme apurado pelo Olhar Juridico, a colaboração premiada de José Riva  apresenta lista com 38 nomes de ex-deputados e deputados que supostamente receberam mensalinho na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Os fatos tiveram início em 1995 e alcançaram montante aproximado de R$ 175 milhões. 


Riva também disse ao Ministério Público (MPE) que desde 1995 os deputados estaduais gastaram aproximadamente R$ 40 milhões durante negociações para as eleições da Mesa Diretora.
 
Para comprovar os crimes, o ex-parlamentar  apresentou transferências bancárias, depósitos, notas promissórias e testemunhas. 

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luciano
    14 Fev 2020 às 15:35

    Fez tudo o que fez e está solto, lugar de criminoso confesso e na cadeia, a não ser que seja político no mato grosso aí o meliante vive numa boa.

  • Edlene
    14 Fev 2020 às 10:32

    Sr José Riva com ALMINO AFONSO advogando em sua defesa pode dormir tranquilo...Sabemos tamanha é sua competencia. Parabéns Almino

  • Marilza
    14 Fev 2020 às 09:51

    Fique tranquilo deputado, o senhor está no Brasil, já já tudo irá se resolver da melhor forma possível para o senhor, a lei da impunidade que prevalece no Brasil inteiro, no nosso Estado mais ainda.

  • nelson
    14 Fev 2020 às 09:41

    Cadê os comentarios, esse site amarelou?

  • nelson
    14 Fev 2020 às 02:03

    ANTIGAMENTE ERA CONHECIDO COMO LADRÃO CAGUETA, AGORA É DELATOR COM DIREITO MANCHETES DE NOTICIAS, MAS NA VERDADE E FALTA DE VERGONHA NA CARA

  • João José Haddad araujo
    13 Fev 2020 às 22:31

    Deve ter muito mais podres que esse senhor esta escondendo. Pelo bem do povo honrado e trabalhador de Mato Grosso, esperemos que vá preso , não só ele mas todos esses crápulas e sanguessugas , assassinos, pois tiraram dinheiro de hospitais, remédios, escolas e muito mais. O pior é que quase nenhuma pessoa acredita que os que esse senhor delatou será punido pois historicamente ninguém acredita mais nos homens que compõem as instituições de Mato Grosso.

  • Raimundo
    13 Fev 2020 às 22:26

    É a total desmoralização do Judiciário e do MP, depois quer credibilidade com o povo. Lamentável.

  • João bicudo
    13 Fev 2020 às 21:51

    Nenhum fato novo para a justiça e sociedade, apenas confirmar que o crime de corrupção compensa , nao haverá condenação ou prisão para essa elite corrupta intocável, veremos

  • Roberto rezende
    13 Fev 2020 às 21:36

    DUVIDO QUE TENHA ALGUEM DO JUDICIARIO, DUVIDO QUE ELE NAO TENHA SE ENVOLVIMENTO COM ALGUEM DO JUDICIARIO!!

Sitevip Internet