Olhar Jurídico

Sábado, 04 de abril de 2020

Notícias / Civil

Ex-secretário de Saúde é denunciado em ação para devolver R$ 5,6 milhões

Da Redação - Arthur Santos da Silva

13 Fev 2020 - 09:35

Foto: Secom

Ex-secretário de Saúde é denunciado em ação para devolver R$ 5,6 milhões
O Ministério Público (MPE) denunciou em ação com pedido de ressarcimento o ex-secretário de Saúde de Mato Grosso, Augustinho Moro, acusado de firmar contrato irregular com a Unihealth Logística Hospitalar Ltda que gerou dano de R$ 5,6 milhões. Há pedido de indisponibilidade de bens.

Leia também 
Juíza revoga prisão de jornalista acusado de estupro e importunação sexual

 
O contrato datado de 2007 foi firmado para prestação de serviços de gestão de fluxos de materiais hospitalares, com fornecimento de infraestrutura de armazenagem, equipamentos de automação e manutenção, software de gestão de estoque e mão de obra especializada.
 
Segundo o MPE, no decorrer da execução do contrato, foram constatadas ilicitudes nas prestações, dentre elas, a disponibilidade de funcionários em número inferior ao estipulado, acarretando, assim, um enriquecimento às custas do erário.
 
“Conclui-se da análise do relatório oficial que o dano teve concorrência direta da omissão do então secretário de saúde do Estado de Mato Grosso, o qual tinha dentre suas obrigações o dever de constituir e nomear a comissão que fiscalizaria a execução do contrato”.
 
O Ministério Público pede a decretação liminar da indisponibilidade de bens dos requeridos, até o montante do valor a ser ressarcido ao erário estadual, totalizando R$ 5,6 milhões. No mérito, que seja julgada procedente a presente ação civil pública, condenando as partes ao ressarcimento integral do dano apurado.

Ação é assinada pelo promotor de Justiça Clovis de Almeida Junior. 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Crítico
    13 Fev 2020 às 11:02

    Pode até ser processado, mas ressarcir os cofres públicos jamais. O dinheiro já tomou rumo ignorado. Mais de 13 anos para agir?

Sitevip Internet