Olhar Jurídico

Quarta-feira, 27 de maio de 2020

Notícias / Geral

CPI da Sonegação solicita informações sobre fraude fiscal envolvendo propina de R$ 1,9 mi

Da Redação - Arthur Santos da Silva

27 Jan 2020 - 14:01

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

CPI da Sonegação solicita informações sobre fraude fiscal envolvendo propina de R$ 1,9 mi
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal, em tramitação na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) solicitou compartilhamento de informações da ação que julga incentivo irregular concedido a duas empresas em troca de propina estimada em R$ 1,9 milhão.

Leia também 
Juíza recebe ação por propina milionária em incentivos e lavagem por simulação de venda de gado
 

Conforme noticiado pelo Olhar Jurídico, tornaram-se réus no processo em que estão as informações o ex-governador Silval Barbosa, seu irmão Antonio Barbosa, os ex-secretários de Estado Pedro Nadaf, Marcel de Cursi, o procurador aposentado do Estado, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, conhecido como Chico Lima, e o empresário Milton Luís Bellincanta.
 
Segundo o Ministério Público, Bellincanta, proprietário das empresas Vale Grande Indústria e Comércio de Alimentos (Frialto) e Nortão Industrial de Alimentos, negociou com Silval uma engenharia tributária no Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic). Dissimulação e ocultação da origem e natureza dos pagamentos foi realizada por meio de um contrato de venda de gado.
 
A juíza Ana Cristina determinou que o Ministério Público se manifeste, emitindo parecer sobre o pedido da CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal. Somente após haverá decisão sobre a possibilidade de compartilhamento..
 
A magistrada, porém, já autorizou envio dos autos a 11ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa da Capital.
 
A CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal é presidida por Wilson Santos (PSDB) e iniciou os trabalhos no dia 12 de março de 2019. Membros da comissão suspeitam que o Estado deixa de arrecadar R$ 2 bilhões por causa da sonegação de impostos e incentivos fiscais concedidos de forma fraudulenta.  

Ainda compõem a comissão os deputados Carlos Avallone (vice-presidente), Ondanir Bortolini, o Nininho (relator), Max Russi e Janaina Riva, estes dois últimos na condição de membros. 
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet