Olhar Jurídico

Quarta-feira, 05 de agosto de 2020

Notícias / Criminal

Ex-secretário pede arquivamento de investigação sobre 'complemento salarial' delatado por Malouf

Da Redação - Arthur Santos da Silva

20 Nov 2019 - 14:28

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Paulo Brustolin

Paulo Brustolin

O ex-secretário de Fazenda de Mato Grosso, Paulo Brustolin, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) o arquivamento de investigação proveniente da delação premiada do empresário Alan Malouf. O pedido não foi examinado levando em conta a inadequação da via.
 
Leia também 
Sem comprovação de pagamentos, PGR pode anular do acordo de delação de Alan Malouf


Na colaboração, Malouf afirmou que Brustolin recebeu R$ 500 mil em “luvas” para aceitar se tornar secretário da gestão do governador Pedro Taques (PSDB). Afirmou ainda que havia um complemento de salário no valor de R$ 80 mil (por mês).
 
Os valores eram pagos, segundo colaboração premiada, por um grupo denominado “amigos/empresários”. Todos os atos tiveram ciência do então chefe do Poder Executivo.
 
No pedido, a defesa de Brustolin tentou demostrar a atipicidade das condutas atribuídas, bem assim a inexistência de materialidade e indícios de autoria, revelando falta de lastro probatório mínimo a justificar eventual ação penal.
 
A defesa salientou ainda que estaria configurado o excesso de prazo considerada a data de homologação do termo de colaboração (abril de 2018) e o atual momento, a revelar constrangimento ilegal, levando em conta não haver proposta de ação penal.
 
Após perda de foro privilegiado dos citados da delação, vários anexos foram enviados ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Entre eles o que acusa Brustolin. Em momento posterior, houve o envio da citação ao Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, mais precisamente ao Juízo da Trigésima Nona Zona Eleitoral.
 
Justamente pelo declínio de competência, o ministro Marco Aurélio, relator do caso no Supremo, afirmou que o pedido de arquivamento sobre o anexo em que Brustolin é citado deve ocorrer ao juízo atualmente responsável, ou seja, a Trigésima Nona Zona Eleitoral de Mato Grosso.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Altamir
    21 Nov 2019 às 06:39

    Não foi só Maluf que falou do mensalinho desse aí e ninguém apurou. Por que será? MP de MT. Vergonha

  • Ares
    20 Nov 2019 às 17:47

    Digita aí no Google quem é o maior ladrão do mundo ?Vai umas pistas é o ícone carro chefe presidiário de estimação do pt tem nove dedos nome de um molusco roubou bilhões deixando 14 milhões de desempregados foi tão canalha que se comparou a Jesus Cristo como o homem mais santo que já existiu mais não conseguiu provar sua inocência teve que mudar o entendimento do STF pela terceira vez para ser solto digita aí no Google mate sua curiosidade

Sitevip Internet