Olhar Jurídico

Quinta-feira, 05 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Defesa afirma que Stringueta chamou Jarbas para briga; 'reflita, em nome de Jesus', teria dito ex-secretário

Da Redação - Arthur Santos da Silva

15 Nov 2019 - 16:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Defesa afirma que Stringueta chamou Jarbas para briga; 'reflita, em nome de Jesus', teria dito ex-secretário
O ex-secretário de Segurança e delegado da Polícia Civil, Rogers Jarbas, denunciado por suposta coação no curso do processo praticada contra o também delegado Flávio Stringueta, relatou em sua defesa que não ofendeu o colega. Ao contrário. Segundo Jarbas, quem gerou ameaças foi justamente Stringueta. Os argumentos servem para fundamentar pedido de absolvição.
 
Leia também 
Jandir Milan deixava propina mensal em banheiro ou na FIEMT, afirmam delatores


Conforme Rogers Jarbas, no momento do encontro entre as partes, dentro de um supermercado de Cuiabá, Stringueta “estranhamente sorriu, com ar aparentemente anedótico”.
 
Já no estacionamento, houve um diálogo entre as partes. Porém, conforme o ex-secretário de Segurança, sem violência.  A intenção, segundo relato, era "travar um diálogo, expor suas angustias e aflições, se possível, realizar alguns questionamentos".
 
“Flávio, gostaria de lhe dizer algo que está me causando muita dor. Flávio, mentiras foram usadas para me incriminar. Prender alguém com base em mentiras é um ato de covardia. Flávio, você não faz ideia do quanto a minha família sofreu por conta dessas mentiras. Nós sofremos muito. Não merecíamos passar por tudo isso. A única coisa que quero, agora, é que a verdade venha à tona. Essas mentiras cairão, e quando caírem, responsabilizarei juridicamente todos que mentiram”, teria dito.
 
O ex-secretário de Segurança argumenta que a resposta do colega foi em tom elevado, o chamando para briga. “Não quer acertar agora comigo? Porque não resolve isso agora comigo? Venha, vamos resolver isso agora, de homem para homem”, teria dito. “Estou ansioso à espera das medidas judicias. Você ficou pouco tempo preso. Deveria ter ficado mais. Vou fazer de tudo para que você volte a ser preso”, supostamente completou Stringueta.
 
Evitando confronto físico, Rogers Jarbas chegou a clamar por uma intervenção espiritual. “Flávio, você já avaliou isso espiritualmente? Reflita sobre tudo isso, em nome de Jesus, reflita”.
 
O caso

Jarbas foi denunciado pelo crime previsto no artigo 344 do Código Penal, que consiste em “usar de violência ou grave ameaça, com o fim de favorecer interesse próprio ou alheio, contra autoridade, parte, ou qualquer outra pessoa que funciona ou é chamada a intervir em processo judicial, policial ou administrativo, ou em juízo arbitral”. A pena prevista é de um a quatro anos de reclusão e multa.
 
A denúncia refere-se a fato ocorrido no dia 28 de março de 2018, no interior de um supermercado de Cuiabá. Na ocasião, segundo o Ministério Público, o acusado passou a monitorar o também delegado Flávio Henrique Stringueta.
 
A vítima, conforme consta na denúncia, atuou como presidente dos autos de inquérito policial que culminou na Operação Esdras, que por sua vez resultou na prisão de Rogers Elizandro Jarbas. A Esdras investigou esquema de interceptações ilegais em Mato Grosso.
 
A defesa de Jarbas pede absolvição. 

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Expectador
    15 Nov 2019 às 23:50

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Rafaela
    15 Nov 2019 às 21:40

    Acredito no Jarbas, pessoa integra

  • Paulo Mattos
    15 Nov 2019 às 18:57

    Essa briga, em meus tempos, era muito normal entre nós adolescentes. Não tinha Polícia, processo, nada. A gente chamava o desafeto pro largo, trocava uns sopapos, quem bateu, bateu, quem apanhou, apanhou,íamos felizes para casa, de boa. Agora querem transformar uma discussãozinha em mercado no fato mais sobrenatural do mundo. Falta do que fazer da Polícia, do Ministério Público, da Justiça. Moagem pura.

  • Midias
    15 Nov 2019 às 18:55

    Só querem aparecer , midiáticos , vão trabalhar e para com exibicionismo. Querem algum cargo público certeza.

  • Ares
    15 Nov 2019 às 16:53

    Tá rolando no wat shap um vídeo que lula ao tentar fazer comício no Rio Grande do Sul foi escurrassado sobre os gritos de fora ladrão

Sitevip Internet