Olhar Jurídico

Sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Notícias / Criminal

Perri é escolhido para julgar processo contra ex-chefe do Gaeco denunciado por grampos

Da Redação - Arthur Santos da Silva

08 Nov 2019 - 15:51

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Perri é escolhido para julgar processo contra ex-chefe do Gaeco denunciado por grampos
Rondon Bassil Dower Filho, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), declinou competência e enviou ao colega desembargador, Orlando Perri, ação contra o promotor de Justiça Marco Aurélio de Castro, denunciado por quebrar sigilo de interceptação telefônica.

Leia também 
Único condenado, Zaqueu Barbosa mentiu sobre origem de placa dos grampos

 
A decisão foi estabelecida nesta sexta-feira (8). Bassil esclareceu que Perri é o competente para apreciar e julgar as demandas decorrentes da Operação Grampolândia. Foi ele o responsável por receber os primeiros pedidos de investigações, ainda no ano de 2017, antes do envio de todo material ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).
 
Conforme a denúncia, Marco Aurélio, então coordenador do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), quebrou segredo da Justiça, repassando a terceiros não identificados áudios captados em interceptação de comunicações telefônicas à qual teve acesso em razão do cargo que ocupava.
 
Na ocasião da Operação Ouro de Tolo, contra a ex-primeira-dama Roseli Barbosa, o desembargador Marcos Machado teve conduta questionada após divulgação de uma escuta telefônica com Silval Barbosa.
 
Os áudios obtidos junto ao Ministério Público foram expostos pela TV Centro América. A reportagem veiculou um diálogo suspeito entre as partes, gerando especulações sobre possível favorecimento.
 
Marco Aurélio deve responder pela prática do delito tipificado no artigo 10 da Lei 9.296/1996, que diz: “Constitui crime realizar interceptação de comunicações telefônicas, de informática ou telemática, ou quebrar segredo da Justiça, sem autorização judicial ou com objetivos não autorizados em lei”.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ulisdeye
    08 Nov 2019 às 16:43

    Agora eu quero ver. MP cometeu crime grave. Tem que pagar

Sitevip Internet