Olhar Jurídico

Terça-feira, 12 de novembro de 2019

Notícias / Criminal

Juiz nega perícia em cheques da Arca de Noé e marca audiência para ouvir testemunhas

Da Redação - Arthur Santos da Silva

15 Out 2019 - 10:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz nega perícia em cheques da Arca de Noé e marca audiência para ouvir testemunhas
O juiz Bruno D'Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Cível Pública e Ação Popular de Cuiabá, marcou para o dia 20 de fevereiro de 2020 audiência em processo proveniente da Operação Arca de Noé, ação que possui como réus os ex-deputados José Riva e Humberto Bosaipo. Requerimento para perícias em cheques foi negado. 

Leia também 
Juiz nega prescrição e mantém ação contra Arcanjo por peculato e lavagem de dinheiro


Inicialmente a ação foi proposta pelo Ministério Público (MPE) com pedido de ressarcimento de danos ao erário e responsabilização por improbidade administrativa em face de Riva, Bosaipo, Guilherme da Costa Garcia, Luiz Eugênio de Godoy, Nivaldo de Araújo, Geraldo Lauro, José Quirino Pereira e Joel Quirino Pereira
 
Conforme os autos, a Assembléia Legislativa de Mato Grosso contratou com a empresa comercial FR da Silva Comérico ME, emitindo em seu favor 16 cheques no total de R$ 800 mil.
 
Em sua decisão, antes de marcar a audiência, o magistrado negou preliminares de impossibilidade de desenvolvimento válido da ação e nulidade do inquérito civil por extrapolação do prazo e incompetência do Promotor que o presidiu.
 
Bruno D’Oliveira decidiu ainda negar pedido do ex-deputado Riva que buscava pela realização de uma auditoria em todos os cheques  constantes nos processos decorrentes da denominada Operação Arca de Noé.
 
Além de marcar a audiência para 2020, a decisão julgou extinta, sem resolução do mérito, a ação em face do requerido Nivaldo de Araújo, já falecido.
 
A Operação Arca de Noé foi deflagrada em 2002 pela Polícia Federal e desmantelou sistema financeiro à margem do oficial liderado pelo ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro. O então criminoso contava com o auxílio de políticos como os ex-deputados José Riva e Humberto Bosaipo. O objetivo era desviar dinheiro público por meio de empresas fantasmas e depois lavara quantias nas factorings de Arcanjo.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet