Olhar Jurídico

Sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Notícias / Civil

Justiça determina exoneração imediata de delegada condenada por improbidade administrativa

Da Redação - Arthur Santos da Silva

14 Out 2019 - 15:30

Foto: Olhar Direto

Delegada Anaíde Barros

Delegada Anaíde Barros

O juiz Francisco Rogério Barros, da Primeira Vara Especializada da Fazenda Pública de Rondonópolis (212 km de Cuiabá), notificou no dia sete de outubro a Secretaria de Segurança de Mato Grosso para que seja efetivada a exoneração da delegada Anaíde Barros, membro da Polícia Judiciária Civil (PJC), condenada em 2012 por ato de improbidade administrativa.

Leia também 
Agropecuária é condenada a pagar pensão e R$ 50 mil a trabalhador atropelado por picape da empresa

 
O processo transitou em julgado no dia 28 de fevereiro de 2019. Além de ser exonerada, a delegada deve pagar multa no valor de R$ 71 mil, está proibida de contratar com o Poder Público e terá os direitos políticos suspensos pelo prazo de três anos.
 
O Ministério Público (MPE) propôs ação em 2006 contra Anaíde e Nivaldo Duque dos Santos, dizendo, em síntese, que, no dia 11 de agosto daquele ano  foi encaminhada à promotoria de Justiça cópia dos autos de inquérito noticiando "condutas delituosas". Segundo o processo, na época Anaíde “mantinha amizade e posterior relação de namoro” com Nivaldo.
 
Segundo processo, a delegada valeu-se da autoridade para praticar ato ilegal. No dia sete de dezembro de 2005 foram apreendidos por uma equipe policial cerca de 1.300 CD’s, DVD’s e bolsas de marcas variadas, tidos como de origem “pirata”, sendo o material apreendido catalogado e encaminhado para a Unidade Regional de Criminalística de Rondonópolis para que fosse realizada a perícia técnica.
 
Ao tomar conhecimento da operação realizada, Anaíde, estando de plantão na noite da apreensão, foi procurada por Nivaldo, resolvendo, então, praticar ato de improbidade, tendo a ré orientado Nivaldo a adquirir material semelhante ao apreendido, porém acobertado pela originalidade, efetuando a troca dos produtos.

A condenação em primeira instância teve recursos negados até transitar em julgado. Atualmente o caso está em cumprimento de sentença. Justamente por isso, há o pedido de exoneração. 
 
Outro lado
 
A reportagem não conseguiu contato com a delegada.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ERNANI VIEIRA MIRANDA
    02 Nov 2019 às 21:56

    GOLPE BANCO BRASIL FOI ROUBO BANCO BRASIL PESSOA IDOSO QUE NOA CAMINHA TEU GOLPE BANCO BRASIL GOLPE BANCO BRASIL PESSOA IDOSO QUE NOA CAMINHA MAIS TEU GOLPE BANCO BRASIL

  • JOSE NILDO
    15 Out 2019 às 10:32

    kkkkk se ferrou vai tarde essa "delegada"

  • PALHARES
    15 Out 2019 às 07:04

    QUE É ISSO DELEGADA?, SE SUJAR COM UMA PORCARIA DESSAS. LAMENTÁVEL!!!

  • Sr. Sincero
    14 Out 2019 às 21:48

    Vixe!!!!

  • Cezar Augusto Lima do Nascimento
    14 Out 2019 às 19:14

    É...Malandro de mais se atrapalha.

  • Valdemir dos Santos Filho
    14 Out 2019 às 18:52

    A polícia civil e a mais corrupta que existe, o governo tinha que acabar com este câncer

  • RIVA
    14 Out 2019 às 18:08

    LASCOU... KKKKKKK

Sitevip Internet