Olhar Jurídico

Terça-feira, 12 de novembro de 2019

Notícias / Civil

Juíza absolve ex-superintendente do Incra e mais 14 acusados de participação em fraudes de vendas de terras

Da Redação - Vinicius Mendes

14 Out 2019 - 10:07

Foto: Reprodução

Juíza absolve ex-superintendente do Incra e mais 14 acusados de participação em fraudes de vendas de terras
A juíza Vanessa Curti Perenha Gasques, da 2ª Vara Federal de Cuiabá, absolveu o ex-superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), João Bosco Moraes, que chegou a ser preso pela Polícia Federal sob suspeita de irregularidades na desapropriação de terras em Mato Grosso. Além dele também foram absolvidas outros 14 envolvidos, com consequente extinção do processo.
 
Leia mais:
MPT divulga nome de 13 empregadores de MT que integram ‘lista suja do trabalho escravo’; veja
 
A operação foi deflagrada pela PF no ano de 2008 e chegaram a ser presos o ex-superintende João Bosco de Morais, o vice-superintende, Valdir Perius, e o procurador regional, Anildo Braz Rosário.
 
Os funcionários públicos e os outros envolvidos foram acusados de obtenção de vantagem indevida, estelionato e formação de quadrilha, uma vez que os imóveis objeto de desapropriações intentadas pelo Incra estão localizadas sobre terra devolutas do Estado de Mato Grosso ou da União, tendo ocorrido deslocamento de títulos fundiários nos processos expropriatórios.
 
Em decisão do último dia 10 de outubro, a juíza Vanessa Curti decidiu pela absolvição Antonio Cleto Silveira, Gilberto Pires Fernandes, João Bosco de Moraes, Anildo Braz do Rosário, Manoel Joaquim da Silva Filho, Antonio Reginaldo Galdino Delgado, Augusto Bomsenhor, Maercio Bomsenhor, Sebastião Pereira Cajango, Marcos Antonio Rocha e Silva, Leonel Wohlfahrt, Djalma Rodrigues Porto, Henrique Vieira de Queiroz Neto, José Gagliardi Neto e Ana Carmen Viana Vidal da imputação de improbidade administrativa, por entender que esta prática não restou demonstrada nos autos.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet