Olhar Jurídico

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

Justiça suspende processo e aguarda chegada de nova delação da Ararath

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Set 2019 - 11:18

Foto: Arthur Santos da Silva / Olhar Direto

Justiça suspende processo e aguarda chegada de nova delação da Ararath
O juiz Jeferson Schneider, da Quinta Vara Federal em Mato Grosso, atendeu pedido da defesa do ex-secretário de Fazenda de Mato Grosso, Eder Moraes, e determinou suspensão de ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-gestor e o delator premiado na Operação Ararath, Luis Carlos Cuzziol, ex-gerente do Bic Banco.  Suspensão foi determinada para que a delação de Cuzziol chegue aos autos.

Leia também 
Apartamento de R$ 3 milhões não recebe lances em leilão para pagar dívida da família Malouf com Piran

 
Conforme posicionamento do dia 10 de setembro, a colaboração ainda está no Tribunal Regional de Primeira Região, em Brasília. Após a chegada dos documentos, Eder Moraes deve manifestar se deseja passar por um reinterrogatório.
 
A ação versa sobre gestão fraudulenta de instituição financeira. De acordo com a denúncia, as provas apontam inúmeras operações ilícitas de empréstimos bancários totalizando aproximadamente R$ 12 milhões.

Os empréstimos eram concedidos à pessoa jurídica Ortolan Assessoria e Negócios Ltda e tinham como garantia créditos fictícios que a empresa possuía junto ao governo do estado de Mato Grosso, por meio de simulação de prestação de serviços na área de consultoria e assessoria em gestão governamental.
 
Segundo o Ministério Público Federal, a garantia do crédito junto ao governo do estado foi dada por meio de ofício expedido, sem autuação, pelo então secretário de Fazenda.

Conforme acusação, ficou comprovada a inexistência de contrato ou processo de aquisição com a Ortolan Assessoria e Negócios.

Relatório produzido pela Controladoria Geral também apontou que a empresa não estava cadastrada como credora e, portanto, não existia ordem bancária de pagamento.
 
Eder e Cuzziol
 
Segundo o Ministério Público, a ligação entre os acusados é antiga e decorrente de terem trabalho em conjunto no Bic Banco. Eder era superintendente de agência em Cuiabá, enquanto Luis Carlos Cuzziol era gerente de contas.
 
Com a saída de Éder, a diretoria do banco convidou Cuzziol para assumir a função de superintendente, cargo ocupado durante 2007.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Manoel
    11 Set 2019 às 18:00

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • deovaldo
    11 Set 2019 às 14:36

    Só conseguiu adiar a sentença e espero que o judiciário não seja moroso e permita prescrição

Sitevip Internet