Olhar Jurídico

Terça-feira, 15 de outubro de 2019

Notícias / Geral

MPF diz que escolha de Bolsonaro para PGR pode prejudicar investigações em MT

Da Redação - Vinicius Mendes

09 Set 2019 - 16:33

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

MPF diz que escolha de Bolsonaro para PGR pode prejudicar investigações em MT
O procurador-chefe do Ministério Público Federal em Mato Grosso, Gustavo Nogami, e o delegado da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) no Estado, Bernardo Meyer Cabral Machado, afirmaram que a escolha do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para a ocupação do cargo de procurador geral da república pode prejudicar as investigações e o combate à corrupção até mesmo em Mato Grosso.
 
Bolsonaro não seguiu a lista tríplice elaborada pelos próprios procuradores e acabou escolhendo Augusto Aras para o cargo. A preocupação dos representantes do MPF é quanto ao “critério ideológico” descrito pelo presidente para basear sua escolha, as reuniões privadas entre Bolsonaro e Aras que ocorreram antes da escolha e também as críticas de Aras às forças-tarefas do MPF.
 
Leia mais:
Advogado ambientalista diz que ataques de Bolsonaro ao Ibama incentivaram queimadas criminosas
 
O MPF e a ANPR de Mato Grosso integraram o Dia Nacional de Mobilização pela Independência do MPF, um ato em protesto contra a maneira como o presidente Jair Bolsonaro escolheu o sucessor de Raquel Dodge.
 
O presidente havia citado que escolheria alguém com o mesmo “viés ideológico” que o seu, e antes da escolha teve algumas reuniões privadas com Augusto Aras, que acabou sendo escolhido. O nome de Aras não estava na lista tríplice enviada a Bolsonaro, e isto causou revolta nos representantes do MP.
 
Os representantes do MPF disseram ter preocupações com a escolha que, além de não respeitar a lista tríplice, foi baseada em “critérios escusos” e após “reuniões às escuras”. Eles defendem que o MPF não pode ser subserviente ao Poder Executivo, ou a qualquer outro poder, e que esta escolha pode acabar interferindo negativamente na atuação do órgão.
 
“Interferência da via indireta, que seria atrapalhando a estrutura de força-tarefa, que é essencial para o trabalho ser desenvolvido ordenadamente, mas também existem forças-tarefas que atuam na PGR, como ficou evidenciado na semana passada quando eles saíram, da PGR, o grupo de trabalho da Lava Jato em Brasília, este também é um ponto. Por isso a importância da independência da instituição e da atuação imparcial do procurador geral. Isso ficou evidenciado pela imprensa, que colocou que algumas partes da delação de um delator haviam sido arquivadas porque citava parlamentares X e Y, e isso reforça ainda mais este ato de mobilização, que busca a defesa e a independência do MPF”, disse Bernardo Meyer.
 
O procurador-chefe do MPF em MT, Gustavo Nogami, ainda citou que Bolsonaro foi eleito com um discurso contra a corrupção, mas sua escolha pode acabar prejudicando o combate à corrupção. Ele reforçou que este ato também serve para alertar o Senado, que ainda deve sabatinar Aras, a fazer perguntas que revelem quais são os interesses e o posicionamento do indicado e que, se eles forem contrários ao interesse do MPF, que o nome seja vetado.
 
Para Nogami e Meyer os resultados desta escolha podem ser desastrosos. O procurador da república, por exemplo, pode definir que apenas o procurador responsável por um caso e sua equipe, de três servidores, é que serão incumbidos por tal caso. A Lava Jato conta com uma força-tarefa de 13 procuradores e uma decisão destas traria grande atraso.
 
Além disso, Nogami lembrou que o procurador geral da República pode acabar prejudicando investigações ao não fornecer a estrutura necessária. Ele afirmou que pretende remontar uma força tarefa para a Operação Ararath, mas pelas declarações de Aras, não sabe se será possível. Neste caso já foi recuperado mais de meio bilhão, e ele avalia que existe margem para aumentar este trabalho.
 
“Nós temos muita informação que precisa ser processada, nós recebemos do STF bastante matéria que precisa ser analisada, a ideia é que nós montássemos um grupo regional no Estado, com colegas do interior e da capital, e para isso precisaríamos de um auxílio da Procuradoria Geral da República, com estrutura humana, servidores, cargos, estrutura financeira para suportar a vinda de procuradores para auxiliar aqui, e se de fato o novo procurador geral da república adotar um posicionamento contrário a essas forças tarefas, como já no passado se posicionou, infelizmente nós não conseguiremos remodelar nossa força tarefa aqui e dar vazão a esse trabalho que é tão importante para o Estado”.
 
Já o delegado da ANPR lembrou que os casos originários no primeiro grau da Justiça Federal eventualmente acabam chegando ao Supremo Tribunal Federal, onde atua com exclusividade o procurador geral da República e por isso é importante saber qual é o compromisso dele.
 
Por isso é importante que ele esteja sensível às demandas da sociedade civil, sensível ao combate à corrupção, sensível à proteção ao meio ambiente, e esteja afinado com toda a instituição, com todo o trabalho que é desenvolvido aqui embaixo. Neste sentido, é possível sim que, se o procurador geral da República assumiu compromissos escusos, em razão dos encontros terem sido feitos às escuras, a gente não saiba como vai ser a atuação posterior do indicado, ou de qualquer outra pessoa que fosse indicada neste formato”.

26 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • O Andarilho
    10 Set 2019 às 10:00

    Tome...... para aqueles que votaram no BOZO. A Democracia e o respeito passa longe do Presidente. Bom Jair se acostumando. Vem mais atrocidades !!!!!

  • Xai
    10 Set 2019 às 09:57

    Alimentaram o monstro, e agora não podem com ele... Vai dar trabalho reconstruir a democracia. Tipo uns 30 anos. Foi o tempo que levou da última vez.

  • chuck-NORRIS
    10 Set 2019 às 09:34

    pesquisem sobre os tuiuiú na PGR, leiam sobre este assunto e terão uma visão panorâmica do que realmente se tornou a pgr ao longo destes 20 anos, esse migué de lista tríplice foi criado para manter a ideologia dentro principalmente do MPF. A cf Não diz nada em relação à essa lista.

  • CIDADÃO INDIGNADO
    10 Set 2019 às 09:09

    Como os próprios procuradores colocaram o mpf e o mpe são órgãos!!!! Não são Poderes!!!!!. A CF diz que são Poderes o Legislativo, o Judiciário e o Executivo!!!! E é competência do Presidente nomear, não diz nada sobre ter que seguir lista tríplice do órgão!!!! Isso já são vaidades internas desse órgão e de seus componentes!!!!! Que acham que são poderes da Republica Federativa do Brasil.

  • paulo antonio de araujo costa
    10 Set 2019 às 09:06

    Para de Mimimi, segue o jogo....

  • MARIO
    10 Set 2019 às 08:54

    Nobre Cleber Leão , mais um pobre de direita arrotando nas redes sociais...com certeza o rabo esta mais sujo que pau de galinheiro mas aqui se sento o moralista ...cei.

  • Zumbi
    10 Set 2019 às 08:38

    Gustavo , por mim que ele escolha o porteiro do prédio dele ..não é esse mesmo judiciário de mãos dadas com a senhora Selma de Arruda quem apoiaram de corpo e alma a eleição desse cara ??? adora ver ele calando algumas esferas do judiciário sempre que seus interesses pessoais estão ameaçados....EU AVISEI.

  • alexandre
    10 Set 2019 às 08:33

    simples Corporativismo....

  • Silvério
    10 Set 2019 às 08:26

    Vai trabalhar procurador e para com essa gritaria!

  • Raimundo
    10 Set 2019 às 08:24

    O presidente está cumprindo a lei. Essa lista tríplice sequer existe previsão legal. É uma aberração. Agora me parece que nem o MPF confia em seus membros, e quer que o povo confie? Belo exemplo.

Sitevip Internet