Olhar Jurídico

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

Ministro nega liberdade a Arcanjo, mas manda TJ julgar extensão em habeas corpus de genro

Da Redação - Arthur Santos da Silva

19 Ago 2019 - 18:30

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ministro nega liberdade a Arcanjo, mas manda TJ julgar extensão em habeas corpus de genro
O Ministro Ribeiro Dantas, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou pedido de liberdade em habeas corpus do bicheiro João Arcanjo Ribeiro, detido preventivamente em consequência da Operação Mantus.

Leia também 
MPE constata coação de Jarbas contra Stringueta; juiz envia inquérito à Sétima Vara


A decisão, durante o começo da tarde de domingo (18), determinou de ofício que um pedido de extensão de liberdade seja submetido ao crivo da Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso. 

Em Mato Grosso, o processo é relatado pelo desembargador Rui Ramos. Arcanjo tenta estender liberdade concedida ao seu genro, Giovanni Zem, também preso na mesma operação
 
O suposto criminoso foi preso preventivamente no dia 29 de maio de 2019, durante a Mantus, deflagrada Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Fazenda e Crimes Contra a Administração Pública (Defaz) e da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

A Mantus teve escopo de prender duas organizações criminosas envolvidas com lavagem de dinheiro e com a contravenção penal denominada jogo do bicho. Um delas, segundo a Polícia Civil, liderada por Arcanjo.
 
Além de Zem e Arcanjo, apontados como líderes da organização Colibri, também foram denunciados Noroel Braz da Costa Filho, Mariano Oliveira da Silva, Adelmar Ferreira Lopes, Sebastião Francisco da Silva, Marcelo Gomes Honorato, Agnaldo Gomes de Azevedo, Paulo César Martins, Breno César Martins, Bruno César Aristides Martins, Augusto Matias Cruz, José Carlos de Freitas, vulgo “Freitas”, e Valcenir Nunes Inerio, vulgo “Bateco”.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet