Olhar Jurídico

Sábado, 17 de agosto de 2019

Notícias / Eleitoral

Juiz pede manifestação do MP em recurso para suspender representação contra Janaina Riva

Da Redação - Arthur Santos da Silva

17 Jul 2019 - 10:42

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz pede manifestação do MP em recurso para suspender representação contra Janaina Riva
Antônio Veloso Peleja Júnior, juiz membro do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso, determinou no dia 15 de julho vista ao Ministério Público Eleitoral (MPE) para que haja parecer em embargos declaratório da deputada Janaina Riva (MDB). Recurso é contra representação por gastos irregulares na campanha de 2018. É necessária manifestação do órgão ministerial antes do julgamento.

Leia também
MPF aponta possível falha em análise de documentos no processo que desaprovou contas de Janaína Riva


A defesa busca suspender a representação afirmando que a prestação de contas que gerou questionamento está sendo reexaminada. O próprio Ministério Público já reconheceu possibilidade de erro.
 
Janaina apresentou prestação de contas, declarando como total de recursos recebidos o montante de R$ 969 mil e despesas contratadas de R$ 950 mil, alcançando o percentual de 95,04% do limite de gastos da campanha de deputado estadual, de R$ 1 milhão.
 
Parecer técnico conclusivo da Justiça Eleitoral apontou infrações na arrecadação e nos gastos de recursos. Foram consideradas omissões de informações de relevante número de pessoas que aparentemente desempenharam, de modo coordenado, direto e ininterrupto, atos de campanha.
 
A representação eleitoral foi proposta em janeiro de 2019 com base no parecer sobre prestação de contas. Ocorre que, em momento posterior à propositura da representação, o procurador regional eleitoral José Ricardo Custódio de Melo Junior encaminhou novo parecer apontando possível falha na análise de documentos da deputada estadual.
 
O embargos de declaração pede a suspensão da representação até que o processo de prestação de contas seja sanado. “Cai por terra a exordial do presente feito, porque a instituição que a assina assevera, em momento posterior, que o título que a embasa não é hígido o suficiente”, diz trecho do embargos.
 
O Ministério Público ainda deve se manifestar sobre o caso. Além de dar início à contagem de prazo, o despacho dia 15 de julho pede informações sobre serviço de táxi aéreo prestado e a intimação da testemunha Celso Paulo Banazeski, empresário e ex-prefeito de Colíder.
 
 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Daniel Ribeiro Taurines
    17 Jul 2019 às 15:53

    Corrigir Título da material "Suspensao" não é com ç

Sitevip Internet