Olhar Jurídico

Segunda-feira, 15 de julho de 2019

Notícias / Civil

UFMT tenta comprovar contaminação da água por agrotóxicos em fazenda de Gilmar Mendes

Da Redação - Arthur Santos da Silva

14 Jun 2019 - 16:37

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

UFMT tenta comprovar contaminação da água por agrotóxicos em fazenda de Gilmar Mendes
O Ministério Público (MPE) deseja juntar em ação civil relatório técnico elaborado pelo Núcleo de Estudos Ambientais e Saúde do Trabalhador (NEAST), da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), para comprovar uso abusivo de agrotóxico em fazendas do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).
 
Leia também
Justiça nomeia perito para verificar uso abusivo de agrotóxico em fazenda de Gilmar Mendes


O órgão ministerial adiantou ao Judiciário que o objetivo é averiguar possível contaminação por agrotóxicos e metais pesados. A propriedade está localizada na Área de Proteção Ambiental (APA) Nascentes do Rio Paraguai.
 
Relatório técnico antigo, elaborado pelo NEAST e divulgado pelo MPE em 2018, detectou contaminação por agrotóxicos na APA Nascentes do Rio Paraguai. Nas amostras de água analisadas foram detectados princípios ativos de substâncias para os quais não há limites de segurança previstos no Brasil, tanto para água potável quanto para água superficial, como o Clomazone, Imidacloprido, Propoxur e Tiametoxam.
 
Atual cenário

 
Além do relatório do NEAST, o juiz André Luciano Costa Gahyva, da Primeira Vara Civil de Diamantino, nomeou perito oficial e estabeleceu prazo de 30 dias para confecção de relatório.

André Luciano também acatou pedido do Ministério Público Estadual (MPE) quanto à produção de prova testemunhal. Contudo, audiência de instrução será marcada somente após a perícia.

O imóvel localizado em Diamantino está em nome de Gilmar Mendes e dois de seus irmãos, Francisco Ferreira Mendes Júnior e Maria Conceição Mendes França. O solo recebe o plantio de soja e milho.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • luiz
    14 Jun 2019 às 18:29

    Se deixaram o Ministro mijar na plantação, vai contaminar até o oceano.

Sitevip Internet