Olhar Jurídico

Quarta-feira, 26 de junho de 2019

Notícias / Civil

Juíza condena empresário a indenizar filhos de vítima de naufrágio no Pantanal em R$ 150 mil

Da Redação - José Lucas Salvani

12 Jun 2019 - 17:44

Foto: Arquivo

Juíza condena empresário a indenizar filhos de vítima de naufrágio no Pantanal em R$ 150 mil
A juíza Sinii Savana Bosse Saboia Ribeiro condenou Semi Mohamed Said, proprietário da chalana Semi To a Toa, a indenizar em R$ 150 mil a título de danos morais Jéssica de Almeida Araújo, G.H.S.A e G. M. S., três filhos de Gelson Bastos de Araújo, que morreu no naufrágio do barco em março de 2008. O empresário também deverá pagar pensão de um terço de salário mínimo até os filhos completarem 25 anos.

Leia mais:
Justiça Federal condena proprietário de chalana a pagar R$ 120 mil à viúva de vítima

Os filhos, representados por Dayna da Silva Araújo, alegam na acusação que o réu não teria autorização para o transporte de passageiros, como também havia falta de habilitação do comandante e faltas de condições para a navegabilidade. Em defesa, o empresário aponta que há ausência de comprovação de nexo de causalidade entre o naufrágio e a suposta negligência.

A juíza, por outro lado, explica que o relatório aquaviário, realizado pela Marinha do Brasil e da Agência Fluvial de Cuiabá, concluiu que a embarcação sofreu alterações sem respeitar o capítulo três da Norman, principalmente em relação às licenças para alteração, reclassificação e licença para entrada em tráfego. O barco também não foi submetido às vistorias e, consequentemente, não teve os certificados exigidos para o tipo de atividade executada pela embarcação.

O relatório também demonstra que José Gonçalo, condutor da embarcação, não era habilitado, como tampouco conhecia as regras de segurança da navegação e da salvaguarda da vida humana, “sendo imprudente ao embarcar na função de comandante, já que não possuía habilitação para tanto, independente da autorização do proprietário”.

Deste modo, a juíza entende que o empresário Semi Mohamed Said é responsável tanto pelas alterações realizadas sem ter a obtido as licenças junto à Marinha do Brasil como pela permissão de uma pessoa não habilitada para a função de comandante.

“Não resta dúvida que o responsável da requerida agiu com negligência e imprudência ao proceder a alteração da embarcação sem observar as normas legais e sem licença para tanto e ainda, sem submeter a embarcação à vistoria necessária para obtenção de certificado para poder trafegar com pessoas nos rios, devendo a parte ré ser responsabilizada pelos danos ocasionados”, explica a juíza.

A juíza acrescenta que “o ato da ré foi determinante para evento morte de Gelson Bastos de Araújo”. Assim, ela condenou o empresário a pagar a indenização no valor de R$ 150 mil por danos morais, sendo R$ 50 mil para cada, além do pagamento de uma pensão de ⅓ de salário mínimo até que os filhos de Gelson completem 25 anos.

Relembre o caso

Por volta das 4h do dia 9 de março de 2008, a chalana Semi Toa Toa, que transportava 22 pessoas, naufragou no Pantanal Matogrossense, causando a morte de dois tripulantes e sete turistas, dentre eles Gelson Bastos de Araújo. No momento do naufrágio, os turistas estavam nas cabines e os tripulantes dormiam em aposentos.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • JOSE NILDO
    13 Jun 2019 às 09:56

    isso não é condenação é um ultraje a família da vitima

  • Gladston
    13 Jun 2019 às 07:29

    Esse um terço de salário que DEVE ser pago aos filhos dessa vítima até completarem 25 anos, DEVERIA ser retroativo à data do sinistro, É UM DIREITO DELES!!!!

Sitevip Internet