Olhar Jurídico

Sábado, 19 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Suposto mandante de chacina em Colniza recorre para evitar júri popular

Da Redação - Arthur Santos da Silva

10 Jun 2019 - 11:45

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Suposto mandante de chacina em Colniza recorre para evitar júri popular
O advogado Ulisses Rabaneda recorreu contra sentença de pronúncia responsável por determinar que dois supostos participantes da chacina de Colniza (1.114 km de Cuiabá) passem por júri popular.
 
Leia também 
Juíza compartilha provas com a Receita sobre rombo de R$ 7 milhões na gestão Silval Barbosa


A decisão de pronunciamento proferida pelo juiz Ricardo Frazon Menegucci atingiu Valdelir João de Souza, conhecido como “Polaco Marceneiro” e Pedro Ramos Nogueira, vulgo “Doca”.

Valdelir é assistido por Rabaneda. Frazon estabeleceu prazo para que a defesa argumente sobre o recurso. Após argumentação, o Ministério Público Estadual também deve se manifestar.

A chacina, ocorrida no dia 19 de abril de 2017, abrange outros três acusados. Os processos foram desmembrados. Além de Valdelir e Pedro Ramos, constam como denunciados Paulo Neves Nogueira, Ronaldo Dalmoneck (o “Sula”) e Moisés Ferreira de Souza (conhecido como “Sargento Moisés” ou “Moisés da COE”).

Conforme o MPE, os cinco denunciados pela chacina integram um grupo de extermínio denominado “os encapuzados”, conhecidos na região como “guachebas”, ou matadores de aluguel, contratados com a finalidade de praticar ameaças e homicídios.
 
No dia da chacina, Pedro, Paulo, Ronaldo e Moisés, a mando de Valdelir, foram até a Linha 15, munidos de armas de fogo e arma branca, onde executaram Francisco Chaves da Silva, Edson Alves Antunes, Izaul Brito dos Santos, Alto Aparecido Carlini, Sebastião Ferreira de Souza, Fábio Rodrigues dos Santos, Samuel Antonio da Cunha, Ezequias Satos de Oliveira e Valmir Rangel do Nascimento.

O grupo de extermínio percorreu aproximadamente 9 km, matando, com requintes de crueldade, todos os que encontraram pelo caminho. “Os denunciados executaram as vítimas, em desígnios autônomos, de forma repentina e mediante surpresa, utilizando-se de crueldade, inclusive tortura, dificultando, de qualquer forma, a defesa dos ofendidos”, diz a denúncia.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet