Olhar Jurídico

Domingo, 25 de agosto de 2019

Notícias / Ambiental

Justiça multa prefeita de Várzea Grande por não cumprir sentença sobre gestão de resíduos

Da Redação - Arthur Santos da Silva

18 Mai 2019 - 09:40

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Justiça multa prefeita de Várzea Grande por não cumprir sentença sobre gestão de resíduos
A Justiça acolheu pedido formulado pelo Ministério Público (MPE) e aplicou multa  à prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos, por não implantar o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.

Leia também 
Advogada é condenada por falso testemunho em processo contra ex-vereador de Cuiabá
 

A decisão, do dia 23 de abril passado, é do juiz Jones Gattass Dias, da Segunda Vara Especializada da Fazenda Pública, que também elevou de R$ 1 mil para R$ 2 mil o valor multa diária.

O município havia sido condenado a permitir apenas o acesso ao lixão dos caminhões da Prefeitura responsáveis pela coleta do lixo domiciliar e da limpeza urbana e a apresentar o Plano Municipal de Gestão integrada de Resíduos Sólidos.
 
Outras obrigações incluíam a implantação do aterro sanitário com todas as solicitações das legislações em vigor, licenciamentos e certificações devidas e o manejo do passivo ambiental, com tratamento de efluentes (chorume) e gases da parte nova.
 
Na parte antiga do aterro o município deveria atender a nove itens de recomendações num prazo de 60 dias orientadas pelo Conselho Regional de Agronomia e Engenharia de Mato Grosso (CREA-MT) e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA).
 
Também não foram cumpridas implantação imediata e emergencial das chamadas condutas mínimas  de controle, organização e operação no Lixão para provisionar e instalar os equipamentos necessários  para o início do manejo adequado.

A promotora de justiça Maria Fernanda Correa da Costa relata que o prazo dado ao Município para apresentação do Plano Municipal de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos terminou em 5 de setembro de 2018 e que mesmo intimado não demonstrou o início do cumprimento das obrigações impostas pela Justiça mato-grossense. 

O município limitou-se em informar que executaria uma Permissão de Manifestação de Interesse (PMI) e que publicou abertura de processo licitatório na modalidade Pregão, visando a contratação de empresa para executar os serviços de coleta seletiva. Em 2017, o município havia informado que não possuía legislação instituindo o Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.

“É incontestável que o presente feito se delonga e não há perspectiva de efetiva e concreta realização das obrigações em execução, razão pela qual é congruente a majoração do valor da multa diária aplicada à sra. Prefeita Municipal”, defendeu em seu pedido acolhido.

(Com informações da assessoria)

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Gladston
    18 Mai 2019 às 15:18

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet