Olhar Jurídico

Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Notícias / Eleitoral

Desembargador Gilberto Giraldelli é eleito presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso

Da Redação - Érika Oliveira/Da Reportagem Local - Carlos Dorileo

26 Abr 2019 - 10:04

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Desembargador Gilberto Giraldelli é eleito presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso
Toma posse como presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, na manhã desta sexta-feira (26), o desembargador Gilberto Giraldelli, que irá ocupar o cargo pelo próximo biênio. Em coletiva de imprensa, o magistrado falou sobre a conclusão do cadastro biométrico no Estado e as eleições de 2020.

Leia mais:
TRE marca julgamento de recurso contra cassação de Lucimar, vice e vereador por compra de votos

 “Garanto que farei minha parte na busca de toda e qualquer forma de mudança que possa levar ao aprimoramento da atuação da Justiça Eleitoral e na busca de obtenção de resultados mais efetivos e convenientes do processo eleitoral”, garantiu Giraldelli, durante solenidade de posse.

Giraldelli disputou a presidência com desembargador Sebastião Barbosa Farias, que acabpu assumindo a vice-presidência do Tribunal, que também exercerá a função de corregedor regional eleitoral.

Entre as metas estipuladas pela nova gestão estão implantar o Processo Judicial Eletrônico (PJe) na primeira instância da Justiça Eleitoral, realizar o cadastramento biométrico nos 81 municípios onde o procedimento ainda não foi iniciado e nos quais há 96 locais considerados de difícil acesso (zona rural e aldeias indígenas) e aprimorar os mecanismos de transparência do Tribunal.

Além disso, o novo presidente anunciou a implantação da Mini Usina Fotovoltaica na sede do Tribunal e em oito zonas eleitorais, o que deve melhorar a gestão orçamentária da instituição.  

Também considerado um desafio para a atual gestão, o presidente falou sobre a adequação da estrutura da Justiça Eleitoral para atender a recente decisão do Supremo Tribunal Federal, que reafirmou a competência da Justiça Eleitoral para processar e julgar os crimes comuns quando conexos aos crimes eleitorais.

"Tempos difíceis virão com certeza, porém, por força dos longos anos de judicatura que exerci nas mais variadas comarcas de nosso Estado, sinto me dotado de força e experiência necessária para o enfrentamento desses tempos difíceis, notadamente, diante do apoio que certamente obterei dos eminentes pares que compõem esse Sodalício, e da força de trabalho sempre relevante dos servidores que compõem a Justiça Eleitoral Matogrossense. Minha atuação à frente do TRE será embasada nesses próximos dois anos, mediante o estrito cumprimento da lei, sem aceitação de qualquer tipo de ingerência externa”, pontuou.
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet