Olhar Jurídico

Sábado, 17 de agosto de 2019

Notícias / Administrativo

Titular de cartório é acusada de sonegar R$ 5 mi, cobrar a mais por serviços e contratar filho como funcionário fantasma

Da Redação - Wesley Santiago

19 Fev 2019 - 11:20

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Titular de cartório é acusada de sonegar R$ 5 mi, cobrar a mais por serviços e contratar filho como funcionário fantasma
O juiz-diretor e corregedor da comarca de Primavera do Leste (231 quilômetros de Cuiabá), Alexandre Delicato Pampado, decidiu afastar – junto com seus substitutos – a titular do Cartório do Primeiro Ofício da cidade, Elza Fernandes Barbosa, pelo prazo de 90 dias, podendo esse período ser prorrogado por mais 30. Dentre as várias acusações, consta que ela vinha cobrando valores a mais por serviços. Além disto, é acusada de sonegar R$ 5 milhões e também de ter contratado de forma fictícia seu próprio filho, sendo que, segundo relatos dos munícipes, ele residia nos Estados Unidos.

Leia mais:
​TJMT divulga resultado provisório do concurso dos cartórios extrajudiciais; veja lista
 
Dentre as várias acusações, consta que ela vinha cobrando valores a maior dos usuários do cartório no que se refere ao parcelamento de solo urbano, criando averbações desnecessárias e em desacordo com a tabela de emolumentos. Também é acusada de deixar de recolher Imposto de Renda Pessoa Física referente aos anos-calendários de 2014 a 2018, o que totaliza cerca de R$ 5 milhões somente considerando o período de 2016 a 2018, assim como a ausência de recolher, por diversos meses, o Imposto de Renda Retido na Fonte dos funcionários.
 
A mulher ainda teria contratado de forma fictícia seu próprio filho, sendo que, segundo relatos dos munícipes, ele residia nos Estados Unidos. Nesse caso, havia apresentação de folhas de pagamento, mesmo sem comparecimento registrado no sistema de ponto eletrônico. Por fim, a cartorária também não cumpria os pré-requisitos necessários com os livros da unidade extrajudicial, deixando brechas para que houvesse burla às normas.
 
Segundo a Portaria 3/2019/DF, que afastou a titular do cartório, a medida se faz necessária para cessar as irregularidades constatadas, muitas das quais a cartorária já havia sido anteriormente orientada. O magistrado registrou ainda que a delegatária tem histórico de outras penalidades aplicadas e responde a diversos outros procedimentos disciplinares perante a Diretoria do Foro, tendo inclusive afastamento prévio, por outras infrações, que se encontra sub judice.
 
"Cabe ressaltar que há indícios, inclusive, de falsidade ideológica na contratação de substitutos, cobrança a maior de usuários e atos registrais realizados em desconformidade com a legislação em vigor, em prejuízo ao Princípio da Segurança inerente à atividade registral, em descumprimento a recomendações prévias da Corregedoria-Geral da Justiça e da Diretoria do Foro, sem contar ainda em possível apropriação do imposto de renda de funcionários e aviltante sonegação fiscal do Imposto de Renda Pessoa Física", explica o magistrado.
 
Para desenvolver os trabalhos nesse período, foi nomeado o advogado Fernando Saldanha Farias, interventor que não integra os quadros da serventia. Isso porque os substitutos da cartorária já ajudavam na administração do Cartório e também são seus descendentes em linha reta. O cargo também não pode ser delegado à colaboradora mais antiga, uma vez que ela é irmã da responsável pala unidade extrajudicial.
  
Todo o acervo da serventia deve ser entregue ao interventor, incluindo livros, selos, documentos, equipamentos, senhas dos sistemas e dos bancos, bem como os demais bens do Cartório. Também deve ser confeccionado inventário pormenorizado pelos oficiais de Justiça na presença do interventor nomeado e da oficial titular, ou de um de seus substitutos ou prepostos, objetivando preservar a continuidade dos serviços desenvolvidos.
 
O cartório passou por correição extraordinária nos dias 3 e 4 de dezembro de 2018 e por uma inspeção no dia 31 de janeiro de 2019, quando foram identificadas as irregularidades.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Zeca
    20 Fev 2019 às 07:52

    Os concursados estão prontos para assumir. O problema é que apesar da lei existir há 30 anos, muitos juízes através de liminares vão protelando a ação.

  • Islândia Xavier dos Santos
    20 Fev 2019 às 04:26

    Se fiscalizaram todos os cartórios do país haverá substituição de muitos titulares.

  • Edvaldo
    19 Fev 2019 às 14:53

    Na da Constituinte, alguns os especialistas disseram que os cartórios poderiam tornar-se um monstro com pouco controle. Outros afirmaram até q o Estado estava criando uma empresa sonegadora e familiar.

  • Crítico
    19 Fev 2019 às 14:05

    Escrivã ligeira kkkkkkk

  • ana k
    19 Fev 2019 às 14:01

    se chamasse os aprovados no último concurso evitaria esse tipo de problema.

  • Vigilante
    19 Fev 2019 às 12:54

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet