Olhar Jurídico

Segunda-feira, 13 de julho de 2020

Notícias / Geral

Justiça bloqueia R$ 407 milhões de prefeito e mais sete por fraudes que promoveram desmatamento

Da Redação - Fabiana Mendes

18 Dez 2018 - 14:20

Foto: Reprodução

Justiça bloqueia R$ 407 milhões de prefeito e mais sete por fraudes que promoveram desmatamento
O prefeito de Querência (a 962 quilômetros de Cuiabá), Fernando Gorgen e mais sete proprietários de fazenda tiveram os bens bloqueados a pedido do Ministério Público de Mato Grosso (MPMT), por fraudes do sistema do Cadastro Ambiental Rural (CAR), que promoveram desmatamentos, retirando a cobertura florestal em polígonos que totalizaram aproximadamente  5.506,95 hectares.

Leia mais:
Engenheiro alvo de operação que apura fraudes na Sema é preso em Cuiabá

O montante declarado indisponível atinge a cifra de R$ 407 milhões. A decisão liminar foi proferida nos autos de ações civis públicas propostas pela 15ª e 16ª Promotorias de Justiça de Defesa do Meio Ambiente de Cuiabá e Promotoria de Justiça de Querência, resultantes da Operação Polygonum realizada pelo MPMT em parceria com a DEMA e apoio operacional e técnico do IBAMA.

Foram acionados pelo Ministério Público os proprietários rurais Fernando Gorgen, atual prefeito do município de Querência, Roseli Zang, Tiago Gorgen, Franciele Gorgen Jacob e Fernanda Gorgen Cunha; o engenheiro florestal, João Dias, e as empresas Proflora Engenharia e Consultoria Ambiental e Temática Engenharia Agroflorestal Ltda.

As propriedades citadas nas ações são as Fazendas  Santa Luíza I e II; Fazendas Maria Fernanda I e II; Fazendas Santiago I e II;  Fazenda Eduarda e  Fazenda Conquista. A ilegalidade, conforme o MPMT, consistiu, em síntese, na inserção de informações ideologicamente falsas no sistema do Cadastro Ambiental Rural da Secretaria de Estado de Meio Ambiente com o uso de laudos de tipologia e autorizações de desmatamento fraudulentos.

Segundo informações da assessoria de imprensa, a decisão liminar que determinou a indisponibilidade de bens dos requeridos foi proferida pelo juiz Thalles Nóbrega Rezende de Britto. “Na espécie, o núcleo do imbróglio se resume em desmatamento superior ao permitido por lei, alterando-se a classificação da fitofisionomia vegetal para “cerrado” ao invés de “floresta”. Além disso, esclarece o Ministério Público que as autorizações, de desmate também se revelam, materialmente, falsas, o que reforça a ilicitude das condutas perpetradas”, diz a decisão.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Joaquim Teixeira
    18 Dez 2018 às 15:17

    O cara já está na metade do tempo médio de vida, com esse patrimônio e ainda quer ser prefeito? Meu amigo vai curti sua vida, caixão não têm gaveta ou vc vai deixar o dinheiro para o Ricardão gastar?

Sitevip Internet