Olhar Jurídico

Sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Notícias / Constitucional

Presidente da OAB quer auditar sistemas de escutas em Mato Grosso para evitar barriga de aluguel

Da Redação - Lázaro Thor Borges

20 Ago 2017 - 08:20

Foto: Kamila Martins/Assessoria OAB-MT

Presidente da OAB quer auditar sistemas de escutas em Mato Grosso para evitar barriga de aluguel
Não foi só o alto escalão político mato-grossense que sentiu os efeitos da crise dos grampos. O Poder Judiciário, que até então se mantinha como coadjuvante no meio da turbulência, passou a viver no centro do furacão. Com o andamento das investigações surgiram acusações de que promotores e juízes também teriam cometidos falhas ao deferirem ou pedirem escutas telefônicas.

Leia mais:
Ministro nega a Paulo Taques restituição de celular confiscado durante prisão por grampos


O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso (OAB-MT), Leonardo Campos, defende uma auditoria total no sistema de escutas. A ideia, segundo ele, é evitar que falhas e irregularidades continuem ocorrendo no Estado e que o Poder Judiciário possa ter mais controle sobre o funcionamento de investigações deste tipo. 

“Todo esse processo servirá para repensar o sistema, precisamos auditar todo o sistema e evitar que não haja obstrução às investigações, ao mesmo tempo em que possibilidade de quebra legal do sigilo contribua com o inquérito, mas também possa ter garantido o sigilo daqueles que não estão sob investigação”, afirmou Campos.

Grampos
 
Reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.
 
A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”. O esquema de “arapongagem” já havia vazado na imprensa local após o início da apuração de Fantástico.
 
Barriga de aluguel
 
Os grampos foram conseguidos na modalidade “barriga de aluguel”, quando investigadores solicitam à Justiça acesso aos telefonemas de determinadas pessoas envolvidas em crimes e no meio dos nomes inserem contatos de não investigados. Neste caso específico, as vítimas foram inseridas em uma apuração sobre tráfico de drogas.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Idignado
    20 Ago 2017 às 12:43

    Audita do Blackberry da pf TAMBÉM, la tem muita barrigada.

  • Michelle
    20 Ago 2017 às 10:15

    Vamos auditar as contas da OAB/MT. Vamos auditar os funcionários.!!!!

Sitevip Internet