Olhar Jurídico

Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Notícias / Cursos e Concursos

Defensoria entra com ação para anular etapa do concurso da Politec

Da Redação - Lázaro Thor Borges

15 Ago 2017 - 14:54

Foto: Reprodução

Defensoria entra com ação para anular etapa do concurso da Politec
Mais de 200 candidatos reclamaram e a Defensoria Pública de Mato Grosso entrou com ação civil pública, na última terça-feira (08), pedindo o cancelamento de parte do concurso da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). Os candidatos alegam que a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), responsável pelo concurso, usou o exame psicotécnico como ‘nota de corte’.

Leia mais:
Candidatos em concurso da Politec denunciam irregularidades ao Ministério Público


A ação foi proposta na Justiça Federal de Mato Grosso e ainda não entrou em pauta na 2ª Vara Federal da Justiça Cível. O exame psicotécnico do concurso teve três etapas, todas realizadas na UFMT. Os estudantes que se diziam prejudicados criaram uma comissão e realizaram uma denúncia ao Ministério Público, que agora é aproveitada pela Defensoria.

Segundo os candidatos, o exame foi usado para eliminar os concorrentes. O que, segundo eles, é inconstitucional, uma vez que os testes servem apenas para atestar aptidão ou inaptidão dos candidatos. A desclassificação, nestes casos, é determinada apenas pela prova objetiva.

“É inconstitucional qualquer norma de edital de concurso público, ao conferir índole eliminatória a exame psicotécnico, visto que a Psicologia não é uma ciência exata, expondo-se a interpretações, variando segundo a linha de formação do psicólogo. Os candidatos foram eliminados por não possuírem uma nota superior à média dos candidatos do cargo, e não por serem considerados inaptos ao cargo”, diz trecho da denúncia.

Mais de 200 aprovados na primeira etapa foram reprovados no teste psicológico, que aconteceu no dia 18 de junho, é o que diz a comissão. Os testes foram aplicados em salas diferentes durante período de 3 horas nas dependências da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Além do exame psicotécnico, os candidatos também reclamaram de problemas com tempo de elaboração da prova, permissão de material para uso de escrita e permissão para ir até o banheiro.

Segundo eles, algumas salas permitiram a saída até o banheiro enquanto outras não. Neste sentido, o tempo de elaboração das provas também foi diferente e podia variar de cinco a oito minutos, conforme a sala em que a prova era aplicada.

“Assim sendo, os candidatos classificados que subscrevem este abaixo assinado solicitam, respeitosamente, a submissão da anulação da prova ou novo teste que seguem os princípios estabelecidos por lei”, finaliza o texto enviado ao Ministério Público e agora aproveitado pela ação proposta pela Defensoria.  

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Thiago
    17 Ago 2017 às 05:36

    No edital está que o teste psicológico é unicamente eliminatório. Quem fez o concurso estava ciente disso.

  • Lowrrayny Franchesca
    16 Ago 2017 às 21:27

    No edital está bem claro que o teste psicológico, assim como os demais, são de caráter eliminatório.

  • Maria araujo
    16 Ago 2017 às 06:33

    É os que foram aprovados como vai ficar?

  • Robert
    15 Ago 2017 às 20:48

    A banca UFMT deve seguir o edital que os candidatos concordaram ao se inscrever e os candidatos se submeter ao edital concordado.

Sitevip Internet