Olhar Jurídico

Segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Notícias / Empresarial

Posto de Cuiabá é condenado a pagar R$ 42 mil por combustível acima da margem de lucro permitida

Da Redação - Lázaro Thor Borges

22 Mar 2017 - 16:38

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Posto de Cuiabá é condenado a pagar R$ 42 mil por combustível acima da margem de lucro permitida
Um posto localizado na avenida Fernando Corrêa, em Cuiabá, foi condenado a pagar R$ 42 mil em indenização por danos materiais causados pelos consumidores. A empresa é acusada de vender álcool acima do lucro estipulado pela lei, que não deve ultrapassar 20%. A decisão é do dia 17 de março.

Leia mais:
MPE abre inquérito para investigar mercadinhos e cantinas em presídios de Cuiabá


De acordo com a ação proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE), o posto teria praticado, de setembro a dezembro de 2006, lucro de 50%. O estabelecimento teria comprado o produto das distribuidoras a R$1,209 e revendido aos consumidores por R$1,81. O lucro é considerado abusivo pela Agência Nacional de Petróleo (ANP). 

A indenização em R$ 42 mil deve ser paga ao Fundo Estadual de Defesa do Consumidor. Além disso, a decisão proferida pelo juiz Luís Aparecido Bertolucci Júnior da Vara Especializada Ação Civil Pública e Ação Popular determina que o posto pague aos consumidores lesados o valor gasto acima da margem de lucro. 

O magistrado também assinalou que por não comprovar a legalidade dos preços diante da acusação do MPE, a empresa deverá arcar com as “consequências” jurídicas do caso.

“Ante o exposto, por não haver se desvencilhado de seu ônus probatório e, à luz das provas dos autos, reconheço a obtenção de vantagem indevida e abusividade do preço praticado pelo réu na venda de álcool etílico, no período de 03/12/2006 a 09/12/2006 e, consequentemente, em virtude da inversão do ônus da prova e da inércia do Réu, reputo que houve tal prática ilegal, razão pela qual deverá suportar as consequências jurídicas advindas de sua inércia”, determinou. 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Inacio Roberto Luft
    23 Mar 2017 às 13:59

    SE tal investigação ocorre no interior do estado, teríamos muitos outros postos de gasolina sendo condenados.

  • Damião
    23 Mar 2017 às 04:25

    Tem que fazer uma fiscalização nas adulterações de combustíveis!?

  • severino
    22 Mar 2017 às 20:54

    Custaria algo ao Olhar Direto dizer o nome do Posto para que os consumidores tomarem conhecimento? PROTEÇÃO PURA...

Sitevip Internet