Olhar Jurídico

Quarta-feira, 24 de julho de 2024

Notícias | Consumidor

CUIABÁ - SÃO PAULO

Gol é condenada a pagar indenização a cuiabana por negar embarque de cachorro

Foto: Reprodução

Gol é condenada a pagar indenização a cuiabana por negar embarque de cachorro
A Gol Linhas Áreas deverá pagar indenização de R$ 8.800 a título de danos morais a Maraisa Cristina Manzano após negar que a passageira pudesse viajar com o seu cachorro de estimação em viagem de Cuiabá até São Paulo. A decisão foi confirmada pela 1ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Mato Grosso no dia 6 de setembro, após a empresa entrar com recurso.


Leia mais:
Latam é condenada por retirar passageira de poltrona mais espaçosa para dar lugar ao cantor Latino

Maraisa Manzano, que mora na cidade de Rosário na Argentina, relatou no processo que viajou de férias ao Brasil, mas teve que voltar às pressas para a cidade onde mora. Na ocasião, comprou uma passagem aérea de Cuiabá até Rosário com escala em São Paulo.

Após providenciar os documentos necessários para o trajeto do animal, a companhia aérea teria negado o embarque do cachorro. Mais tarde, após Maraisa entrar em contato com a empresa, foi fornecida uma passagem para que ela retornasse ao país e embarcasse juntamente com o animal.

No entanto, até a data do novo embarque, a tutora teve de providenciar nova documentação sanitária do seu bicho de estimação, além das despesas com alimentação e hospedagem. Apesar de solicitada, a Gol não ressarciu os gastos adquiridos com o remanejamento do vôo. 

Decisão


Conforme a decisão da 1ª Câmara, ficou mantido o entendimento do juiz Flávio Maldonado de Barros da 1ª Vara Cívil de Tangará da Serra, com o valor da indenização por danos morais estabelecido em R$ 8.800 e o ressarcimento das despesas em R$ 905,65. Além da Gol, a empresa VRG Linhas Aéreas S.A, que faria o trajeto de São Paulo até Rosário, também pagará as indenizações.

De acordo com a relatora, desembargadora Nilza Maria Pôssas de Carvalho, o dano suportado pela autora, que lhe causou sensação de impotência, angústia e outros sentimentos negativos abalaram sua estabilidade emocional, inclusive com necessidade de retornar ao Brasil para buscar e levar seu animal para a Argentina.

“Não há dúvida de que a ré negou indevidamente o embarque do animal, mesmo com toda a documentação necessária apresentada pela autora. Inclusive reconhece os transtornos causados à autora, tanto que emitiu passagem, sem custos, para que levasse o seu animal para a Argentina”, entendeu a desembargadora.

Os demais desembargadores também entenderam por desprover o recurso, resultado em decisão unânime.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet