Olhar Jurídico

Sábado, 07 de dezembro de 2019

Notícias / Financeiro

Juiz aprova recuperação judicial de empresa que se endividou em R$ 5 milhões por conta da Copa de 2014

Da Redação - Lázaro Thor Borges

20 Jul 2016 - 15:00

Foto: YouTube

Sede da empresa

Sede da empresa

O juiz Anglizey Solivan de Oliveira da Primeira Vara Cível de Cuiabá deferiu pedido de recuperação judicial da microempresa Terrabella Indústria e Comércio de Estofados Ltda. No pedido, a empresa alega ter acumulado dívidas de R$ 5 milhões por conta do grande número de feriados durante a Copa do Mundo de 2014.

Leia mais:
Sem pagar administrador desde janeiro, Pupin pode ter processo de recuperação judicial cancelado

De acordo com o processo, a empresa foi fundada no Paraná e comprada pelo microempresário Carlos Roberto Rocha da Costa e montada em Cuiabá no ano de 2010. Após 3 anos de atividade com “ótimas vendas e boa margens de lucro”, a empresa enfrentou problemas financeiros no ano da Copa do Mundo de Futebol.

Um dos problemas, segundo a ação, foi o grande número de feriados devido a Copa. Muitos pedidos foram cancelados e a produtividade caiu drasticamente. A crise levou a empresa a terceirizar a produção e contrair empréstimos com instituições financeiras.

“Fora o mercado econômico do ano estar em baixa, o referido ano teve diversos feriados no período da Copa do Mundo no Brasil. A indústria tinha capacidade de fabricação de 700 jogos/mês, e no período de Maio à Dezembro de 2014, não foram fabricados mais de 200 jogos/mês, devido aos feriados e aos cancelamentos de pedidos feito pelos clientes,” diz um trecho do pedido.

Na decisão datada do dia 3 de junho deste ano, o juiz também indeferiu a exclusão do nome da empresa e de seus sócios junto aos órgãos de proteção ao crédito. De acordo com o magistrado, a retirada dos protestos está condicionada a apresentação do plano de recuperação judicial, o que ainda não foi feito.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ANDRE CINICO SILVA
    21 Jul 2016 às 12:19

    SEVERINO, NAO PRECISA CONVENCER NINGUEM, BASTA CONVENCER A JUIZA.............................................KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  • ANDRE CINICO SILVA
    21 Jul 2016 às 11:40

    MAS E EU SEU JUIZ. MEUS MILHOES DE REAIS QUE ESTAO APLICADOS NO BANCO QUE RENDEM SOMENTE NOS DIAS UTEIS, EU POSSO ENTRAR JA JUSTICA PRA PEDIR O RENDIMENTO? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  • Ademir
    21 Jul 2016 às 11:20

    Porque chovia muito e o motoboy não podia pegar chuva e ficar resfriado, ou porque estava muito seco e não tinha ar condicionado nos carros, cada um!!!

  • severino
    20 Jul 2016 às 21:55

    Isso é PIADA. Se fosse verdade a maioria das empresas teriam entrado na mesma situação. Mais uma de Brasileiro esperto, mas não convence ninguém.

  • Jose Olavo
    20 Jul 2016 às 19:45

    Que bom assim todos empresarios serao beneficiaados não é seu juiz.

Sitevip Internet