Olhar Jurídico

Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Notícias / Empresarial

Sem pagar administrador desde janeiro, Pupin pode ter processo de recuperação judicial cancelado

Da Redação - Lázaro Thor Borges

19 Jul 2016 - 18:10

Foto: Ilustração/Reprodução

José Pupin, presidente do grupo JPupin

José Pupin, presidente do grupo JPupin

O juiz da Primeira Vara de Campo Verde André Barbosa Guanaes Simões alertou, na última quinta-feira (14), que se o empresário José Pupin não pagar o administrador judicial do Grupo JPupin o processo de recuperação de suas empresas poderá ser cancelada. O administrador é responsável por mais de R$ 800 milhões em dívidas das empresas do chamado “Rei do Algodão”.

Leia mais:
Pupin esclarece que valor da recuperação judicial é de R$ 898 milhões; advogado culpa dólar

“O absurdo da situação não é difícil de ser identificado. A verba do Administrador e de seus Auxiliares deve ser paga na data correta, sob pena de não ser permitido o processamento da recuperação judicial”, alegou o juiz.

Por conta da dívida, a defesa do grupo solicitou o parcelamento dos honorários em débito e a redução do valor, anteriormente fixado em R$ 50 mil, para R$ 5 mil. No pedido, as recuperandas argumentam que não pagaram o administrador porque imaginaram que o processo havia sido suspenso.

Na decisão, o magistrado indeferiu o pedido de parcelamento da dívida, e pediu que o administrador se manifeste sobre a redução do pagamento. Mesmo assim, o juiz classificou criticou o pedido de diminuição do valor. Para ele, a remuneração do administrador é - em relação a outros processo - muito inferior ao que normalmente se postula.

“E disso as Recuperandas devem saber: outras ações de recuperação judicial, mesmo de porte infinitamente inferior, já se arbitraram honorários imensamente maiores. [...] A pretensão para reduzirem-se a cinco mil reais os honorários de Administrador Judicial responsável por mais de noventa milhões de reais de créditos é absurda”, alegou o juiz.

Administrador Judicial

Em setembro do ano passado, o juiz da ação nomeou a empresa Solidez Assessoria e Planejamento Ltda. como administrador judicial do processo. A empresa é representada por Luis Artur Zimmermann Antônio. O valor de R$ 50 mil, segundo o magistrado, foi calculado baseado no montante da dívida (R$ 898.261.205,56), a remuneração normalmente praticada no mercado, o número de empresas credoras e a capacidade financeiras dos devedores.

 

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • POVO
    20 Jul 2016 às 12:35

    Recuperação judicial não paga credores. Quantas empresas saldaram suas dividas em recuperação judicial e voltaram a ser lucrativas? Todos sabem que a trégua é para desviar o ativo e deixar o passivo para ser rateado entre os credores. Quando o empresário se endivida aquém das sua capacidade de pagamento, o faz consciente, nem Gepeto acredita. Deram asas a cobra, ela voou.

  • Hugo
    20 Jul 2016 às 08:48

    Essa Lei de recuperação judicial é o chamado calote legalizado, as empresas quebrando e seus sócios enriquecidos.

  • TOCA FITA
    20 Jul 2016 às 08:25

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • cuiabano
    20 Jul 2016 às 07:25

    se não tem 50 mil reais, como vai pagar 800 milhoes??? essa gauchada hein... vou te contar...

  • Cuiabano
    19 Jul 2016 às 22:19

    Isso é Brasil.

Sitevip Internet