Olhar Jurídico

Sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Notícias / Cursos e Concursos

MPF recomenda que TRE anule "verificação" de candidatos que se dizem negros em concursos públicos

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

10 Abr 2016 - 10:11

MPF recomenda que TRE anule
O Ministério Público Federal (MPF) recomendou ao Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) que anule as questões, previstas no edital do concurso, que "verifica" a veracidade da autodeclaração de candidatos que concorrem às cotas destinadas à população negra. O procedimento, conhecido como "investigação social", visa evitar que brancos se passem por negros, mediante declarações fraudulentas, para obterem o direito. Entretanto, para o MPF, o teor das das perguntas é "negativamente preconceituoso". A recomendação foi entregue em mãos ao diretor-geral do TRE, Felipe Oliveira Biato, em reunião realizada na sede do MPF em Cuiabá.

Leia mais:
Justiça de MT condena Gol Linhas Aéreas a pagar R$ 10 mil a passageiro impedido de voar

O edital 07 do TRE, publicado em janeiro deste ano prevê, no item 5, que aqueles candidatos que se autodeclararam negros, para concorrer às vagas reservadas para a cota deveriam enviar uma fotografia e preencher um formulário de investigação social com as seguintes questões:

"Alguém já o discriminou por sua cor?, Já o chamaram por sua cor (exemplo: negra, morena)?, A maioria dos seus amigos é de cor preta ou parda? , Você namora ou já namorou uma pessoa de cor preta ou parda?, A maioria dos seus ídolos é da cor preta ou parda? e De que cor ou raça você se considera?"

De acordo com a recomendação do MPF, o "método de verificação" utilizado no concurso é negativamente preconceituoso e discriminatório ao considerar um padrão de conduta para integrantes da população negra, em atitudes como a escolha por relacionamentos com pessoas majoritariamente da mesma cor e, igualmente segregatício, que negros e pardos escolham seus ídolos com base na cor da pele.

No caso do TRE, a recomendação registra que “o procedimento de verificação previsto no edital é inadequado para verificar a veracidade das autodeclarações, haja vista a explícita discriminação contida nas perguntas indicar claramente as respostas que seriam esperadas pela banca, e portanto sua absoluta inidoneidade para desvelar eventuais fraudes de candidatos”.

O MPF estabeleceu prazo de cinco dias para que o TRE comunique sobre o atendimento, ou não, da recomendação.

Está na Lei:

A reserva de 20% das vagas de concursos públicos para negros foi prevista na Lei nº 12.990, de 2014, com o intuito de assegurar o acesso da população negra aos cargos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal. Para determinar os beneficiários dessa política pública, a lei estabeleceu a autodeclaração da raça como critério e também previu a possibilidade da aplicação de mecanismos de controle para eliminar candidatos que façam declaração falsa ou a anulação da nomeação caso o candidato tenha ingressado no serviço público.

Autodeclaração e Fraudes:

A autodeclaração acontece no momento da sua inscrição no concurso. A informação deverá constar no formulário preenchido pelo candidato. A pessoa deve se declarar preta ou parda, segundo o quesito de cor e raça do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Se você pretende se declarar negro ou pardo, mas não tem nenhum documento que comprove isso, ou não tem como sustentar sua autodeclaração, é melhor não ir em frente. No ato da inscrição, não será solicitado nenhum documento que sustente que você é negro ou pardo. Porém, caso você seja aprovado, essa comprovação será necessária.

Declarações feitas por um candidato aprovado devem ser checadas num processo chamado de investigação social. Essa ação é de praxe, e vale também para outras informações, como a declaração de bens, por exemplo. Os métodos para essa investigação variam de local para local.

Se ficar provado que a declaração do candidato é falsa, ele será eliminado do concurso. Se já tiver acontecido sua nomeção para o cargo, caberá um procedimento administrativo e a sua admissão poderá ser anulada.

Fonte: artigo "10 perguntas e respostas sobre cotas em concursos públicos", de Claudia Gasparini, em jusbrasil.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • alex r
    11 Abr 2016 às 11:05

    Em muitas coisas sou favorável a cotas porém em relação a trabalho o melhor deve prevalecer! Se o cidadão conseguiu acesso ao mesmo tipo de educação que os demais candidatos pq ele terá que ter esse privilégio em concurso? Vejo que isso não é democrático e nem moral, absurdo e ofensivo pois prega que um esta abaixo da capacidade do outro e propaga o esforço de muitos em tentar ser melhor é perda de tempo , mais um motivo do pq esse país não prospera...

  • cidadão
    11 Abr 2016 às 09:42

    Qual a cor do cérebro humano? Qual a cor da inteligência? Qual a cor da burrice? A cor da pele não define o QI de ninguém. Cotas para negros é preconceito explícito.

  • JEFERSON MATOS
    11 Abr 2016 às 07:12

    Essas cotas pra negros é um absurdo enorme, quem quer entrar para o serviço público tem que se classificar pela competência, não pela cor.

Sitevip Internet