Olhar Jurídico

Sábado, 23 de fevereiro de 2019

Notícias / Geral

Ministério Público requer que cooperativa de reciclagem doe materiais apreendidos

Da Redação - José Lucas Salvani

09 Fev 2019 - 14:04

Foto: Reprodução

Ministério Público requer que cooperativa de reciclagem doe materiais apreendidos
O Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) requereu ao Poder Judiciário, por meio da 2ª Promotoria de Justiça Cível de Caceres, que seja determinada a doação dos materiais apreendidos na Cooperativa Mista do Desenvolvimento de Cáceres (Coomdec) ao Centro de Triagem do Município para que sejam selecionados e comercializados.

Leia mais:
Justiça libera Prefeitura de Cuiabá para definir administração do HMC; seletivo está previsto

O MPMT requer ainda que o dinheiro arrecadado seja dividido entre os trabalhadores do local e que sejam liberados os materiais que ainda se encontram na posse da Cooperativa de forma ilegal. Mesmo com a decisão judicial que determinou o embargo do empreendimento, a diretoria retirou do local materiais recicláveis prensados.

Caso a juíza entenda que não seja possível ser realizada a doação, o MP apresenta uma segunda opção no requerimento que sugere o encaminhamento dos materiais apreendidos a uma das olarias existes para a incineração visto que não podem ser armazenados em locais descobertos.

A promotora de Justiça Liane Amélia Chaves explica que em 2013 o Ministério Público entrou com uma ação judicial requerendo a suspensão das atividades da Coomdec. A cooperativa já apresentava uma série de irregularidades, mas só foi interditada na semana passada.

Segundo o relatório de inspeção sanitária realizada, a Coomdec estava operando em área residencial, indo contra o Código de Obras e Posturas do Município. A cooperativa também não possuía uma sistema de coleta de águas residuais, controle de vetores e ainda apresentava irregularidades de cunho higiênico sanitário.

Durante o trâmite da ação, em janeiro de 2018 foi firmado um acordo judicial com a diretora-presidente que estabelecia uma série de obrigações para evitar o fechamento da unidade. Entretanto, a Cooperativa se omitiu, levando o MP a requerer o embargo do empreendimento.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luiz
    09 Fev 2019 às 23:14

    É uma piada em cima da outra, essas cooperativa precisa da ajuda do poder público, para se manter já existe lei que credencia as cooperativas junto com os órgãos públicos, como parceiro na reciclagem desses resíduos sólidos sem cessidade de licitação, pôr uma questão social , mas justiça de sinédrio e dos soberbos não querem ver isso. Sheu mano.

Sitevip Internet