Olhar Jurídico

Quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Notícias / Criminal

Empresário é absolvido de acusações de estupro e exploração sexual contra adolescentes

Da Redação - Vinicius Mendes

09 Nov 2018 - 12:04

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Empresário é absolvido de acusações de estupro e exploração sexual contra adolescentes
O juiz da Décima Quarta Vara Criminal, Jurandir Florêncio de Castilho, decidiu pela absolvição do empresário Ivomar Alves de Freitas, das acusações de ter cometido os crimes de estupro de vulnerável e exploração sexual de menores, no ano de 2013. As vítima seriam meninas moradoras de bairros periféricos de Cuiabá.
 
Leia mais:
Empresário acusado de abusar sexualmente de crianças em troca de presentes e dinheiro é preso
 
Na sentença, proferida no dia 12 de setembro passado, o magistrado justificou a ausência de provas suficientes para comprovar a prática dos delitos e acompanhou o parecer do próprio Ministério Público Estadual (MPE), pelo arquivamento da ação penal (código 350388).

“Assim, diante de todo o exposto, e por tudo mais que dos autos consta, sem maiores delongas, julgo improcedente o pedido formulado na denúncia e, com fulcro no artigo 386, inciso VII do Código Penal, absolvo o réu Ivomar Alves de Freitas, devidamente qualificado, da acusação que lhe é imputada no presente feito”, diz um trecho da sentença.

Ainda na decisão, o juiz argumentou que as provas produzidas na fase inquisitiva não foram confirmadas em juízo.

“Ocorre que, in casu, os elementos comprobatórios constantes nos autos são frágeis e insuficientes para embasar a condenação, tendo em vista que as vítimas (as únicas testemunhas arroladas pela acusação) foram ouvidas somente na fase inquisitiva e as provas produzidas nessa fase tem valor probatório relativo, servindo tão somente de base para a denúncia e para medidas cautelares, sozinha, não são suficientes para sustentar uma sentença condenatória, pois os elementos colhidos no inquérito são obtidos de modo inquisitivo, se, portanto, a garantia do contraditório e da ampla defesa”, destacou o magistrado em sua decisão.

Argumentou, ainda, a vedação prevista no Código de Processo Penal (CPP), de que o juiz não pode fundamentar uma decisão com base em elementos apurados na fase de investigação policial.
 
Denúncia
 
De acordo com a denúncia ofertada pelo MPE, os fatos teriam ocorrido em 2013 contra as então,menores, J.S.S., E.M.F., K.C.G., R.E.S., L.N.P., A.R.L. e L.J.P.
Ele teria as levado em um motel e ofertado bebida alcoólica para manter relações sexuais, em troca teria oferecido certa quantia em dinheiro. No entanto, nada ficou provado nos autos.
Na época, Ivomar chegou a ser preso, mas foi colocado em liberdade por decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, sob o cumprimento de medidas cautelares.
O empresário chegou a ter seus telefones interceptados por decisão judicial, mas nada se constatou com relação aos fatos que lhe foram imputados.
 
“Dia de princesa”
 
Na época da prisão de Ivomar, o delegado Eduardo Botelho, da Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica), explicou ao Olhar Direto que as meninas são moradores de bairros periféricos da Capital e supostamente seriam aliciadas em troca dos benefícios, como dinheiro e presentes, dados pelo empresário, que se dizia promotor de justiça, e que estava sempre viajando.

Uma das meninas, que tem 12 anos, teria dito que não se sentia vítima, pois passeava de carro com o empresário e recebia presentes, como celular de última geração.
 
"São meninas de baixa renda, que tinham um 'dia de princesa', ganhavam aparelho celular, dinheiro e eram levadas para suíte presidencial de motel", disse o delegado Eduardo Botelho.
 
"Toda adolescente que mantém relação sexual com maior de 18 é crime, previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente", completou.
 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • É Brasil né
    09 Nov 2018 às 16:33

    Nada acontece e feijoada. Parabéns ao magistrado. Homem com grana pode tudo aqui.

Sitevip Internet