Olhar Jurídico

Quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Notícias / Civil

Paciente que ficou em maca por 6h após cirurgia no antigo Jardim Cuiabá será indenizado em R$ 15 mil

Da Redação - Vinicius Mendes

13 Set 2018 - 15:16

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Paciente que ficou em maca por 6h após cirurgia no antigo Jardim Cuiabá será indenizado em R$ 15 mil
Os desembargadores da Primeira Câmara de Direito Privado, mantiveram a sentença proferida pelo juiz da 7ª Vara Cível da Comarca de Cuiabá, Yale Sabo Mendes, ao condenar solidariamente antigo Hospital Jardim Cuiabá, por erro burocrático durante cirurgia de varizes realizada em 2006, quando a unidade não era administrada pela atual gestão.

De acordo com os autos a paciente M.B.C.M. teria sido classificada erroneamente no ato da internação e passou seis horas em uma maca, no pós-cirúrgico esperando uma acomodação prevista em seu plano de saúde. O médico responsável e o hospital terão de arcar com o montante de R$ 15.200 a título de danos morais.
 
Leia mais:
MPT obtém liminar contra hospital e pede meio milhão de indenização por danos morais coletivos
 
O caso ocorreu há cerca de 12 anos, no antigo Hospital Jardim Cuiabá. Em abril deste ano a administração da unidade hospitalar passou para uma nova empresa e o local agora é denominado Complexo Hospitalar de Cuiabá, sem envolvimento com a antiga gestão.

Conforme explicou o relator do caso, desembargador João Ferreira Filho, a paciente sofreu dano moral indenizável decorrente do atendimento inadequado.
 
"O caso foi gerado pelo erro do médico, que deveria a classificar como 'paciente interno', mas classificou-a como 'paciente externo', o que fez com o plano de saúde liberasse a cobertura restrita prevista para o tipo de atendimento solicitado. A conferência da exação dos dados constantes dos documentos de cadastro do paciente é também da responsabilidade do hospital", ponderou o magistrado em sua decisão.
 
Segundo consta no processo a paciente ingressou no hospital para fazer uma cirurgia de varizes e o problema surgiu exclusivamente em razão da classificação errônea do 'tipo de paciente' feita pelo médico.
 
Pois, ao invés de indicar ao Plano de Saúde que se tratava de 'paciente interno' – e neste caso a cobertura incluiria a imediata acomodação da paciente em apartamento hospitalar no pós-cirúrgico – inseriu na requisição a classificação equívoca de 'paciente externo'.
 
"Precisamente por conta disso, como a operadora do plano de saúde fez a liberação da cobertura para o tipo específico de atendimento solicitado pelo réu/apelante para aquele perfil, a paciente sofreu no corpo e na alma as dores causadas pela relapsia atribuível exclusivamente à conduta negligente do réu/apelante, e como o hospital não fiscalizou devidamente a conduta de seu profissional também deve ser responsabilizado", disse o magistrado em seu voto.
 
Por conta do erro burocrático, a cirurgia, que normalmente é realizada só com anestesia local, sendo o paciente classificado como 'externo', foi realizada com anestesia peridural com sedação, sem ter o réu comunicado ao plano de saúde, de forma antecipada, ou seja, antes de iniciada a cirurgia.
 
O dever do médico seria mudar a condição de paciente externo para interno, para que a mesma ficasse internada após a cirurgia. O que foi feito somente após o ato cirúrgico, mudança não autorizada pela operadora do plano. Só o realizando ao fim da tarde daquele mesmo dia, fazendo com que a paciente ficasse por horas a fio na sala de recuperação pós-cirúrgica, quando poderia se hospedar em quarto adequado.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Fernanda
    29 Set 2018 às 02:46

    Tudo é motivo pra processo! É fácil canetar, condenar... Espero que todas essas autoridades tenham uma ótima saúde, pra continuarem a fazer o brilhante trabalho de castigar quem cuida da vida do próximo. Estamos atentos.

  • Junior
    13 Set 2018 às 16:04

    Uma vergonha !!! Um site deste vendendo reportagem ??? Qual ligacao de vocês com Paulo Prado e cia ! Vou denunciar para ministério público!! Site totalmente imparcial!! Quando a fiscalização estava no hospital essa semana, o carro do olhar direto estava presente, porque não fizeram a reportagem ? Amarrados com cunhada do prefeito? Com promotor !!?? Vou divulgar nas redes sociais que vocês são todos Comprados! Vou queimar site de vocês !!

Sitevip Internet